segunda-feira, 28 de julho de 2014

ZÉ ESTEVES, O RETRATISTA, NÃO TEVE A CLIENTELA QUE MERECIA.

           


                       A ideia saiu da mente do presidente da Junta de Freguesia, Filipe Rocha e, quando ma deu a conhecer e os pormenores em que ela se completaria, pareceu-me muito interessante e justificada.

                   Filipe Rocha pretendeu homenagear o fotógrafo que montou a sua barraca no recinto das festas do Senhor do Cruzeiro e das Necessidade durante muitos anos consecutivos, com excepção de um curto período em desacordo com a mudança do local que lhe foi imposta. Era como que o ex-libris da fotografia a la minuta a barraca listrada de azul e branco e o Zé Esteves, na sua figura longilínea e austera uma referência que a ninguém passava despercebida. Ele pensava que aparecessem por ali pessoas que, com as suas máquinas digitais, (e foram tantas as que se viram por todo lado levantadas no ar a retratar fosse lá o que fosse) e, junto da silhueta bastante bem conseguida do Retratista obtivessem em conjunto com a família ou individualmente uma recordação para ter em casa ou preencher um lugar num album de recordações.

                   No tempo em que pude andar por ali perto e observar, algumas pessoas tiveram alguma curiosidade de olhar e ver. Nem sempre os comentários que ouvi me garantiram terem apreendido a intenção do presidente da Junta da nossa freguesia, o que me levou a crer que nem sempre as boas ideias vingam em todos os meios e ambientes. Paciência. Foi uma experiência e, estas, às vezes resultam...





Sem comentários:

Enviar um comentário