segunda-feira, 7 de julho de 2014

BRINQUINHOS DA MINHA ALDEIA.

                  
                         LAVADOURO DA SEARA
                                (Primeira central oral de informações de Lanheses)

        
        Era costume corrente 
        Usar o povo lavar
        A roupa numa nascente
        E perto pô-la a secar.

                                          Fresquinha  ela ficava
                                          Cheirosinha de sabão;
                                          estendida  ao sol corava
                                          para ser dobrada á mão.

         Onde ocorresse um regato
         De límpida água corrente
         Sempre haveria um espaço
         E um lavadouro com gente.

                                           Para mais comodidade
                                           E para o uso mais certo
                                           Foi na Seara edificado
                                           Um lavadouro coberto.

           Bastante amplo e abrigado
           Com acesso bem a jeito,
           Caiu logo no agrado
           Do povo bem satisfeito.

                                            E passou a ser usual
                                            Verem-se ali reuniões
                                             Onde, de um modo informal,
                                            Cruzavam informações.

            De tudo ali se falava
            Do público e do privado
            E, quem não sabia, inventava
            Sem cuidar do resultado.

                                            

                                             Não haverá destempero
                                             Nem força de expressão
                                             Tomar como bom modelo
                                             O lavadouro da Seara,
                                             De oral informação
                                             Agência bem informada.


Remígio Costa, 2014/07/06
 














     



                                              

1 comentário:

  1. Muitas barras de fèrro ás costas, muitos sacos de cimento a carrinho de mão fui buscar á casa ágra nos anos 60, o telhado era de madeira e telha françesa, o empreiteiro foi o sr. Manuel da pedreira ( manuel dos sócos) grande Homem, muito tráço de massa de cimento fiz á mão, muitos bérros houvi do sr. Anselmo,mas foi com ele que eu apreêndi a ser proficional na árte......velhos tempos!

    ResponderEliminar