quarta-feira, 9 de julho de 2014

RIO ACIMA, RIO ABAIXO, TÃO BELO QUE EU TE ACHO.




UM RIO DE AMOR QUE SE DESEJA.



Sento-me na tua margem para pensar
Que um dia, deste lugar, vou partir
Numa barquinha à vela, a deslizar
Num lençol de prata sempre a luzir.

Quero entrar no mar largo e sem fim
Vogar dia e noite à luz das estrelas;  
Ouvir o canto das sereias só para mim,
Afogar minhas crenças e incertezas.


Quero voltar aqui por um momento,
Por muito breve e fugaz que seja,
Negando que és “do esquecimento”

Mas rio de amor que muito se corteja
Eternizado no passar do tempo
De alma imortal e benfazeja.






                               O RIO LIMA, DO ALTO DA PONTE DE LANHESES.


 A juzante, margens.
                                                
                                           A juzante - margem direita.
                                          A juzante, com ângulo escolhido-
                                  

                                        A montante, olhando mais para a margem direita.
                                          
                                          Margem direita, com mais veiga de Lanheses.
                                  
                                          A montante, margem esquerda.
               
                Do alto da ponte, com as casas de Lanheses mais chegadas ao rio.
              
                       A montante,margem direita, sítio da Passagem  - Parque Verde
            
                       Margem direita, da Casa do Paço, lugares a Feira e Agra.
                    
                            Margem direita, ao fundo a linha do arvoredo do Parque Verde
                       Da ponte de Lanheses a Serra d'Arga, ao fundo.

                            Do cimo da ponte, vista parcial de Lanheses, a nascente.

                                     
                                          BARCOS E BARQUINHAS DO RIO LIMA

As barquinhas ancoradas na margem direita, com pouca água e coroa de areia no meio do rio.
                              


      
             A ponte de Lanheses, vista da margem direita no sentido montante-juzante.


            Maré baixa, banco de areia à vista. Cresce o assoreamento e altera-se o leito do rio








Soneto e foto doLETHES.
Remígio Costa, 2014/07/09

Sem comentários:

Enviar um comentário