quarta-feira, 13 de junho de 2018

E QUANDO....?




E quando… ?


                                               E quando o mundo acabar?
                                               O que vai ser de nós?
                                               Iremos ser todos esmagados
                                               Tal e qual uma noz?
                                                          
                                               E quando o apocalipse chegar?
                                               E os zombies nos invadirem
                                               Se querem sobreviver
                                               É melhor se prevenirem
                                              
                                               E quando os carros voarem?
                                               Vai haver piscas para cima?
                                               E se os poemas acabarem?
                                               Para que servirá uma rima
                                              
                                               E quando o céu descer à terra
                                               E vislumbrarmos o paraíso?
                                               E quando na cara de cada homem
                                               Pudermos ver um sorriso
                                              
                                               Coisas impossíveis
                                               Que hão de acontecer
                                               Mas para isto ser possível
                                               É preciso a gente querer
                                              
                                                                                                                                
Luís Costa (12 anos)
                                                                                                                
11/6/2018


Fotos: doLethes
Remígio Costa 

sexta-feira, 8 de junho de 2018

CONVITE | Lançamento do livro "O Beato", de Alfredo Conde | 9 de junho | 10H30 | Auditório da Caixa Agrícola do Noroeste



quarta-feira, 6 de junho de 2018

FESTA COM ANIMAÇÃO, É O SÃO JOÃO!


QUADRAS SANJOANINAS

Bate São João ao portal
vem animar os fregueses
'stá no lugar do Sobral 
freguesia de Lanheses.

                 Há marchas a desfilar
                 como é de tradição
                 e bailes para animar
                 ao gosto do São João

                             Como festa popular
                             não faltarão as tasquinhas
                             febras de bom paladar
                             pinga e belas sardinhas.

                                           Vamos lá, rapaziada
                                           quem em casa fica é cota
                                           a sogra não fica zangada
                                           o sogro pouco se importa.

                                                        Divertir está na moda
                                                        a folgar tudo tem graça
                                                        a vida é como roda
                                                        que não pára quando passa.
                                                        
   
   Remígio Costa                                  
                                          

                            
             
                
                 

             



A PARTIR DO LARGO DE SÂO JOÃO, TODOS A PEDALAR VÃO.


                   A PEDALADA DE SÃO JOÃO

                  Quem gosta de dar ao pedal
             tem agora ocasião
             vai ao lugar do Sobral
             à festa de São João.


                                            Sai de lá o pelotão
                                            equipado a rigor
                                            -Até logo São João,
                                            não saias do teu andor.


                                                                Que a vós não aconteça 
                                                                mal pequeno que seja
                                                                capacete na cabeça
                                                                e a sorte vos proteja.


                                      Devagar, devagarinho
                                      para evitar trambolhão
                                      -muita atenção ao caminho,
                                     recomenda São João.

                                                  E se voltares são e salvo
                                                  Terás feito um figurão!
                
                                                   Ou não?


Remígio Costa 
                                                                                          

   
                                                                                    
                                                                                  
                                                                                  
                                                                                 
                                                                                 
                                                                                
                                                                                 

                                                                                  
                                                                                 


                                                                           























 


                                                             
                                           
                                            
            
                

terça-feira, 5 de junho de 2018

CEGONHAS-BRANCAS

          

         
          O HABITAT DAS CEGONHAS-BRANCAS
     
          Fazem agora a vida discretamente
          afastadas da ribalta onde moraram;
          anos continuados, regularmente,
          gerações várias de filhotes criaram.

          Não conhecem leis ou convenções
          que cerceiam o direito à liberdade 
          a Terra pertence-lhes antes das nações
          com fronteiras ou muros de propriedade.

          No tronco ereto de palmeira inútil
          envolto de verdes eras trepadeiras
          entrelaçaram no cimo com arte subtil
          o berço onde aconchegam três herdeiras.

          Sejam imigrantes, quiçá estrangeiras 
          de perto ou de longe, do litoral ou Beiras
          chegam em janeiro antes da primavera
          
          Partem em agosto quando acaba o verão
          a voar para o sul em metódica formação
          não deixando rasto de óxidos na atmosfera 

         
          Do mapa dos habitat das cegonhas-brancas portugueses
          consta graduado com cinco estrelas o de Lanheses.
         
         


          
         Fotos: doLethes
         Remígio Costa  

          
          
          
         
          
          
           

         
          .
         
          
         

         
          

          
          
    





sábado, 2 de junho de 2018

XXVIII DESFILE DE MARCHAS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARGA E LIMA, em LANHESES, Viana do Castelo

  

    Integrado no programa das atividades culturais e lúdicas previstas para o encerramento do ano letivo de 2017/2018, o Agrupamento escolar de Arga e Lima, em Lanheses, Viana do Castelo, promoveu ontem sexta feira dia 1 de junho, o XXVIII desfile das marchas sanjoaninas renovando a tradição que se vem mantendo ininterrupta desde a criação da Escola Secundária implantada de raiz na então designada Quinta da Barrosa, daquela freguesia.

   A edição deste ano foi antecipada no tempo e teve menor participação dos alunos dos diferentes graus de ensino que a escola oferece, por exigências do escrupuloso  cumprimento do calendário e programa oficiais estabelecidos para o terceiro e último período letivo.

  O cortejo teve início ao cair da noite relativamente amena pelas 21:00 horas, saindo pela portaria principal da escola para cumprir o percurso habitual através do Largo Capitão Gaspar de Castro, o centro cívico da freguesia, regressando ao ponto de saída pelo lado oriental do Agrupamento, onde, no alargado espaço frontal ao edifício da escola secundária estava montado um palco amovível frente a ele concentrada uma pequena multidão preparada para assistir à exibição no estrado de cada uma das representações participantes.

  Estavam representadas nas marchas e subiram ao palco pela ordem a seguir mencionada, as escolas do ensino básico de Deão, do Agrupamento escolar de Lanheses, dos encarregados de educação e auxiliares educativos de Deão, e sucessivamente, as turmas do 5.º ano A, B, C, as do 6.º A, B e C. do primeiro ciclo da Escola EB/2,3, de Lanheses. Cada uma delas evocava uma ligação à floresta de à sua preservação e valor, recuperando uma delas a figura dos antigos guardas florestais e o primordial empenho dos bombeiros contra a devastação causada pelos incêndios.

  Todos os conjuntos representavam temas alusivos à Natureza, ao Ambiente, à Floresta e ao combate aos incêndios, vestindo trajes e enfeites condizentes com os correspondentes projetos. Os vestuários constituíram em grande parte trabalho de aula das turmas envolvidas sob orientação dos seus professores. As músicas foram maioritariamente escolhidas das tradicionais e populares marchas alfacinhas, e as originais e os arranjos introduzidos noutras tiveram como autor o professor da disciplina de música da escola. As coreografias estiveram, maioritariamente, a cargo de professores da disciplina de educação física.

   As marchas do ano letivo de 2017/2018 que agora finda, resultaram numa outra oportunidade de relacionar o Agrupamento Escolar de Arga e Lima com toda a comunidade onde se desenvolve, constituindo uma oportunidade de estimular a empatia que é essencial manter entre os responsáveis pela educação dos alunos, mas, também, entre estes e aqueles que ensinam e quem com eles aprende.

                             FORA DA ESCOLA















 
                                     NO ESTRADO















































Fotos: doLethes
Remígio Costa