sexta-feira, 25 de Julho de 2014

MOSTRAMOS OS OITO ANDORES QUE VÃO INTEGRAR A GRANDIOSA PROCISSÃO DO SENHOR DO CRUZEIRO E DAS NECESSIDADES.

                  Estão prontos e criteriosamente alinhados na nave da Igreja Paroquial os andores que irão integrar a grandiosa procissão das festas do Senhor do Cruzeiro e das Necessidades que vai decorrer no próximo domingo, dia 27,  e constitui o momento mais alto e representativo e, bem assim a razão dos grandes festejos que estão a decorrer em Lanheses, concelho de Viana do Castelo.



           O andor do Senhor do Cruzeiro e das Necessidades é o maior e mais pesado dos que vão participar na procissão. O seu peso deverá ultrapassar os 400 kg e são necessários vários homens para o conduzir aos ombros durante o percurso. Formam-se equipas que se vão revezando frequentemente ao longo do trajecto distribuindo o esforço por toda a equipa. Em dias de muito calor, como se prevê seja o de domingo, alguns, senão todos, vão ter que "suar as estopinhas..."

           A imagem é a que permanece todo o ano na capela da fachada religiosa mais representativa do país, em barroco rocaille, que lhe dá o nome e tem uma configuração bastante rara por apresentar Cristo Ressuscitado a enlaçar com o braço esquerdo a Cruz onde tinha sido crucificado, quando o mais frequente aparece reprfesentado pregado na Cruz do Sacrifício.



                  Este é o andor de Cristo Crucificado, a versão mais comum e conhecida dos católicos cristãos.

               É bastante mais leve que o anterior e também é levado em ombros pelos respectivos mordomos, em turnos que se vão revezando mais pela honra de o ajudar a conduzir que por necessidade física.



                Esta imagem representa o Senhor dos Passos, patrono da capela com o mesmo nome existente no Lugar e Largo do Outeiro. É também bastante pesado e segue no percurso com a ajuda de vários mordomos.


         Este é o andor de Nossa Senhora de Fátima, normalmente conduzido por jovens raparigas com o mesmo empenho e dedicação dos homens.


                Andor com  a imagem da Senhora da Lapa, pequenina, e bem mais leve que as restantes.


                   Andor da Senhora das Dores, um dos preferidos principalmente das mulheres a quem suplicam nas horas difíceis de dar à luz.



                  As duas últimas imagens referem-se ao andor da Padroeira da freguesia, Santa Eulália. Tem a forma de uma barquinha numa alusão à forte ligação de Lanheses ao rio Lima, que passa a sul numa extensão que vai de Fontão a Vila Mou. É bastante original e está bem ornamentado.


               Estão dispostos em alas paralelas na neve central da Igreja, estando a primeira à esquerda.



                  VISTA GERAL DA IGREJA de LANHESES, SIMPLES MAS BONITA.


                     Pormenor da pia baptismal tendo por cima a mísula com a imagem do Sagrado Coração de Jesus. No coração que Jesus segura na mão esquerda estão todos os nomes dos que contribuíram para a aquisição dessa imagem, há quase um século. Está sob sigilo único do pároco da freguesia.


                                                          FIM

Texto e fotos: doLethes
Remígio Costa

FALECIMENTO (a editar)

               

 

crucifixo — Foto Stock #9953604 APOLINÁRIO ALVES DE SOUSA, casado, com  domicílio no Lugar de Lamas faleceu hoje, sexta-feira, dia 25 de Julho, por motivo de doença. O Nairo da Clara, como mais popularmente era tratado no meio, tinha sido internado de urgência no hospital há várias semanas, sem nunca ter recuperado do problema de saúde que o afectou.

                 Não são conhecidos até agora pormenores sobre a organização do funeral. Logo que eles sejam divulgados serão aqui publicitados.


                 À família enlutada apresento desde já as minhas condolências e da minha família.

BRINQUINHOS DA MINHA ALDEIA.

                                O  NASCER DO SOL NO RIO LIMA





            Contava hoje com o aparecimento do sol num céu limpo de nuvens para oferecer aos visitantes do doLethes um "brinquinho" especial, o nascimento do astro-rei a inundar o rio Lima com a luz diáfana e fresca da manhã.

               Por duas razões, não atingi o objectivo almejado: um, teria que me ter levantado um pouco mais cedo e chegar à margem do Lima ante do sol passar os montes lá para as bandas da serra amarela, ou coisa próxima; dois, porque não se tinha aberto completamente a cortina e alguns resquícios de opacos roubavam algum brilho à luz que principiava a estender-se por todo o vale do Lima.





              Mau grado a escolha do dia pelas condições menos favoráveis que a esta hora ofereci, não deixo de eleger o nascimento do sol e os efeitos novos que a luz acrescenta à bela paisagem do rio do encantamento.


quinta-feira, 24 de Julho de 2014

PROCISSÃO DAS VELAS. UM DOS ACTOS MAIS SIMBÓLICOS DO PROGRAMA DAS FESTAS DO SENHOR DO CRUZEIRO E DAS NECESSIDADES.

 FESTAS DO SENHOR DO CRUZEIRO E DAS NECESSIDADES

2014.07.27

(Fotos obtidas ao cair da tarde no recinto do adro)




A PROCISSÃO DAS VELAS

                        Capela e Igreja iluminadas

                        As Festas do Senhor do Cruzeiro e das Necessidades têm carácter essencialmente católico cristão e, como é tradicional em quase todas estas ancestrais manifestações comunitárias, acrescentam à sua realização uma componente popular onde prevalecem os fogos de artifício, as "afamadas bandas de música", barracas de farturas e tendas onde se fornecem refeições e práticos típicos e, necessariamente, um parque de divertimentos para jovens e adultos.

                         O programa religioso principiou a cumprir-se na última semana com a realização de missa diária e sermões na Igreja Paroquial, tendo decorrido ontem à noite com icício cerca das 22:30 horas, entre a Igreja Paroquial e o Largo Capitão Gaspar de Castro, pela rua da Estrada da Igreja, a Procissão de Velas, tendo juntado uma multidão muito significativa de pessoas de todas as idades e sexo, levando cada um dos que nela participu nas mãos uma vela de cera acesa. 



                        O desfile do numeroso grupo cumpre no trajecto um rito cantado de rezas em ritmo apropriado a várias vozes , com  paragens junto dos cruzeiros disposto ao longo do percurso, sob a voz do pároco residente que se faz ouvir através do megafone móvel.





                 A noite muito amena que se fez sentir motivou os participantes para cumprir sem grande sacrifício um percurso de quase dois km (ida e volta), contornando o centro cívico retomando o percurso da vinda.



                          Saída da curva para entrar na recta da capela mortuária. (ida)

                       Ao acto presidiu o pároco residente padre Daniel da Silva Rodrigues, tendo incorporado a procissão o andor de Nossa Senhora de Fátima, conduzido aos ombros pelos respectivos mordomos.











                       A veneração que a comunidade lanhesense vota ao Senhor do Cruzeiro e das Necessidades é muita grande entre os cristãos católicos praticantes ou não, mas é, porventura ainda mais sentida e vivida pelos que fazem parte da diáspora. Não causa qualquer surpresa que muitos que estão a trabalhar, ou até já radicados e com gerações de familiares em diferentes países do mundo, mas principalmente na Europa, tenham vindo propositadamente desses países para viverem com os familiares que aqui possuem a festa do Senhor das Necessidades, sendo em grande número os que se viram ontem à noite integrados na procissão das velas.


No Cruzeiro do Largo da Feira


Entrada no Largo da Feira


 No Largo da Feira, iniciando o percurso de retorno.


Regresso à Igreja Paroquial








                                                                    F     I     M

Testo e fotos: doLethes

Remígio Costa.

KOHAR, COM ESTRELAS DA ARMÉNIA -

                        Já se ouvem a música gravada nos altifalantes estrategicamente colocados entre o Largo Capitão Gaspar de Castro e o recinto das festas e os foguetes a atroar o ar do vale do Lima ao sopé da Serra d'Arga, mas no recato habitual das nossas cogitações, onde a linha baixa do silêncio só de tempos a tempos é ondulada pelas vibrações do  concerto do canário ou melro atarantado a mudar de esconderijo, há ainda espaço para ver e ouvir actuações de qualidade como aqui se pode apreciar no vídeo que acabo de conhecer.

                       Apreciem.

BRINQUINHOS DA MINHA ALDEIA.

AZULEJOS DOS BANCOS DO PORTAL DA ENTRADA DA QUINTA DE S. FILIPE

              

                      São dois painéis que embelezam os bancos que ladeiam a entrada principal da Quinta de S. Filipe, em Casal Maior, que apresentam sinais de degradação mas mantendo ainda muito da sua beleza primitiva. Tal como os seus pares da frontaria de fonte da antiga escola primário e actualmente sede da Junta de Freguesia, ali bem perto,  também estes azulejos jamais terão cópias autênticas.