sábado, 23 de maio de 2015

NEM COM UM RAMO DE FLORES SE AGRIDE UMA MULHER.



 Tratar-se-à, presumo eu, de teste feito a propósito de estudo sobre as agressões de que são vítimas muitas mulheres. Os intervenientes são jovens do sexo masculino mas o vídeo não menciona pormenores sobre o estrato social em que se integram e o grau de ensino que frequentam. Vale a pena ver e ouvir até final para conhecer como reagem perante o pedido que lhes é feito para  agredirem uma adolescente mesmo que se trate de uma encenação de que eles, ao que parece,  não se apercebem.


sexta-feira, 22 de maio de 2015

ABERTURA da "Mostra 100% Alto Minho" | 29 maio 2015 | 19h00 | Centro Cultural de Viana do Castelo


Festa Viana sabe (a)mar / Festa da Torta de Viana - 30 e 31 de maio 2015 | Praça da Liberdade (Viana do Castelo)





Down By The Water - PJ Harvey -

                 
                  A sugestão faz sentido numa tarde bastante quente que torna o ambiente algo abafante e incómodo especialmente para quem anda fora de casa. Falta uma piscina perto para umas braçadas relaxantes ou, para quem tiver coragem como duas jovens que há pouco se aventuravam nas águas baixas do rio Lima, avançar pela água dentro e nadar um pouco mesmo à superfície.
            Não vai aproveitar? Ouça, então, a voz lânguida e aprecie o dengoso enlear do movimento corporal ensaiado pela artista.

AINDA ARDE!

          

  O fogo que desde ontem à tarde vem devastando o monte do Castelo a nascente da freguesia de São Pedro de Arcos, do concelho de Ponte de Lima, continua ativo alargando-se para nascente descendo a encosta daquela elevação. Segundo testemunho de uma habitante do lugar do Trogal, viveram-se ontem à noite situações dramáticas quando as chamas rondaram as habitações ali existentes tendo corrido riscos sérios de serem envolvidas pelas chamas pelos menos três moradias, entre as quais a de António Rocha e de uma filha separadas apenas por alguns metros. Os sucessivos apelos à comparência no local do serviço de bombeiros não obtiveram sucesso ocupadas que andavam várias corporações no controle das chamas noutras áreas e os proprietários assistiam impotentes à expansão das chamas em redor das suas habitações.



           Visto do longe o fogo está agora numa fase menos ativa e afastado de zonas de habitações, parecendo controlado pelos bombeiros que vigiam a área. O vento amainou bastante mas com a subida da temperatura ambiente mantém-se o risco de aparecerem novos focos mantendo-se a expectativa quanto ao seu termo.

            Outro foco de incêndio que não tem ligação com o que acima se descreve, esteve ativo ontem à noite numa mata cerca do Parque Empresarial de Lanheses, mas os bombeiros chamados ao local lograram extingui-lo sem maiores dificuldades.



 Este serviço do helicóptero custa milhares de euros ao erário público que é o dinheiro daqueles que (ainda) conseguem pagar impostos!
       


Fotos: doLethes

quinta-feira, 21 de maio de 2015

SERRA D'ARGA AO RUBRO COBERTA PELO MANTO DE FUMO PROVOCADO PELO FOGO.

            

                      Um espesso manto de fumo com laivos rubros pelo efeito do sol posto estende-se a norte a todo o comprimento das montanhas da serra d'Arga e de Nogueira, vindo do fogo que parece não estar ainda extinto e que grassa desde o meio da tarde de hoje na vertente do lado nascente onde se ergue a capela da Senhora do Minho. Sopra de noroeste um vento muito intenso que traz com ele um cheiro a queimado e cinzas soltas. Do alto de Santo Antão, onde colhi as fotografias que vão aqui divulgadas, não é possível avaliar a situação atual do fogo porque a visibilidade é agora reduzida na área onde lavra e a espessa nuvem cinzenta que se formou pela ação da matéria queimada não o permite. Ainda com visibilidade, pareceu-me ouvir o ruído próprio de um helicópetero que teria a missão de apagar o incêndio. Também desconheço se o fogo poderá vir a prejudicar a realização da etapa do Raly de Portugal, cujo percurso poderá estar dentro do perímetro onde ele decorre.
                     ALTO DE SANTO ANTÃO





Fotos: doLethes

A FESTA GRANDE DE VILA MOU

       O típico Arco Festivo, ex-libris de Vila Mou

       Tem início hoje quinta-feira dia 21 e prolonga-se até segunda feira dia 25 de maio a grandiosa festa em honra de Nossa Senhora da Encarnação, uma romaria de longa tradição e grande religiosidade que decorre na freguesia vizinha de Vila Mou, concelho de Viana do Castelo, agora unida administrativamente à Torre.

        Esta festa tem características muito próprias que respeita a tradição de muitos anos, destacando-se do seu programa vincadamente católico cristão a imponente procissão que decorre no último dia das festas no percurso entre a igreja paroquial e o Calvário onde predominam os grandes andores ornamentados e os quadros bíblicos formados por jovens adolescentes vestindo com túnicas apropriadas, nela participando ainda jovens em traje minhoto. O pároco residente é o padre dr. Manuel António Moreira, o qual exerce em Vila Mou o seu múnus vai para algumas décadas.

        Os organizadores têm a preocupação de contratar bandas de música de grande prestígio no país assegurando uma qualidade de concertos que atrai muitos apreciadores de fora da freguesia. Este ano, estarão nos coretos as Bandas Marcial de Gueifães (Maia), de Fermentelos, de Ponte de Lima e dos Arcos de Valdevez, que atuarão em dias e locais diferentes consoante o fim para que foram contratadas.


         O principal ex-libris das festas de Vila Mou é, sem dúvida, o Arco Festivo, uma construção típica que desde ontem se levanta à entrada da alameda que conduza à Igreja, construído em secções que diminuem de tamanho à medida  que a estrutura cresce, com os espaços preenchidos por ripas de madeira cruzadas e vergas de vime pintadas de branco e com toda a estrutura coberta com flores e ramos de bucho, tendo no centro uma estrela e no cimo a Cruz latina. Numa homenagem a Manuel da Pedreira que foi responsável durante muito tempo pela criação do desenho da ornamentação do arco, foi-lhe levantado um busto perto do local onde o arco fica implantado.


          Complementarmente, a festa de Nossa Senhora da Encarnação oferece aos seus fiéis ou simples frequentadores, festivais de folclore e concerto de música por bandas em voga, grandes sessões de fogo de artifício e, quer no recinto onde estão levantadas tendas, tascas e stands correntes em arrais, existe a  possibilidade de degustar uma afamada especialidade local que é o cabrito que também se pode comer em qualquer outro dia do ano num dos restaurantes permanentes existentes nesta acolhedora freguesia.

           A proximidade e o excelente entendimento e estreita convivência social das populações , faz com que os lanhesenses tenham pela "Festa Grande" dos vilamoenses uma simpatia e atração especiais que os leva a participar na maior parte dos números do programa como se fosse uma extensão da sua própria terra, verificando-se reciprocidade de procedimento quando em Lanheses ocorrem festividades religiosas ou de outra natureza.

        

Fotos: doLethes
Remígio Costa