quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

O ALMOCREVE


Esta não é a imagem do almocreve que pretendia divulgar e descrevo no texto, mas não consegui melhor nas buscas que fiz na internete. As personagens desta fotografia identificam-se mais com os almocreves da Idade Média pelas vestes e calçado, mas, à falta de melhor ajudará a formar alguma ideia da figura evocada.

 

 

                        O ALMOCREVE


           Ao tempo em que ele andava por aí, ninguém o conhecia por almocreve mas por azeiteiro. -Mãe, vem aí o azeiteiro, gritávamos quando, ainda longe, ouvíamos o som da corneta com que ele ia avisando os fregueses da sua chegada.


             O almocreve que conheci identificava-se com a personagem rural que atravessou a Idade Média até chegar aos nossos dias e desaparecer nos fins da primeira metade do século XX, excluindo a indumentária. Este que eu recordo tinha estatura média e volume bem nutrido,  a face redonda lisa a pintar de vermelho e a brilhar como se tivesse sido untada com azeite. Vestia uma samarra larga de cor castanha, calçava botas caneladas até perto da rótula do joelho e usava boné da mesma cor de pala curta e preta.

 

              Ao tiracolo, trazia colocada a típica bolsa de couro onde guardava o dinheiro e moedas para os trocos, com nódoas evidentes do uso que lhe era dado.

 

              O almocreve-azeiteiro era inseparável de uma mula para transportar a mercadoria que vendia, de aldeia em aldeia, porta a porta. O objecto do negócio era o azeite, que transportava em duas grandes bilhas metálicas colocadas sobre a cela do animal, e o petróleo para as candeias. Podia transacionar outros bens esporadicamente como sabão rosa em barra, a pedido de algum freguês em particular. Trazia novas da cidade e falava de coisas diferentes enquanto atendia os pedidos dos compradores, que, ao seu redor esperavam vez para serem atendidos.

          De medida de litro numa mão e segurando com a outra o funil enfiado no gargalo da garrafa ou almotolia enchia das vasilhas que trazia em cima da mula as garrafas dos fregueses.

 

              Perdi o seu  nome mas não o local donde vinha e onde morava. Ainda hoje existe a casa onde tinha uma loja de venda, não sei se de outras mercadorias para além do azeite e do petróleo, porque nunca lá entrei.  Fica em Portuzelo, rente à estrada, à entrada da ponte do açude do lado esquerdo no sentido de Viana. Não era de cor creme como agora, porém, mantém-se a traça de outrora.

 

             A geração das grandes superfícies, do carrinho de compras, da coca-cola e do pacote das batatas fritas, dos telemóveis e dos computadores, do tudo pronto já,  nem consegue imaginar que, há pouco mais de seis décadas, algumas das necessidades básicas dos seus avós eram satisfeitas assim. -Almocreve? Não sei o que é essa "cena", diriam.


               Passou o tempo e o mundo mudou. Já não há espaço para almocreves nem quem se interesse por preservar e valorizar o passado do povo simples que deixámos de ser.

 

 

5 comentários:

  1. Belo comentario amigo Remigio, eu tambem me lembro do faomoso "Azeiteiro" um braco.
    Manuel Horacio Lima De Jesus

    ResponderEliminar
  2. Senhor Remigio fiquei agradado com a história do almocreve!!!
    Almocreve é uma palavra de origem árabe, sendo que os árabes ficaram conhecidos na peninsula ibérica por mouros, aquando da sua expulsão.
    Actualmente Portugal está cheio de "mouros", sobretudo a sul do Rio Douro... e no próximo domingo a sua "turba azul" vai invadir o território-sede deles...
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Agora nos "os spotinguistas" andamos de braco-dado" com os portistas. Pois bem, ninguem nos vai seguarar..tanto a uns como a outros! O que eu espero e que esta brilhante ideia venha a continuar. Nao sei bem como serao as camisolas no futuro..(nao sei combinar cores) Talvez aqui o meu Amigo Remigio possa dar uma ajuda..
    Um Abraco de Manuel Horacio Lima De Jesus

    ResponderEliminar
  4. so que espero quevao ter azar penço eu de que

    ResponderEliminar
  5. Mais azar!? Contamos com a juda do melhor derigente desportivo de todos os tempos! Entao nao nos ira dar algumas "dicas" para chegar, pelo menos. a um lugar mais honroso? Os melhores tem mais valor, quando a luta e com os mais fortes...nao com os fracos...

    Manuel Horacio Lima De Jesus

    ResponderEliminar