sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

ÁGUAS PASSADAS REALIDADE PRESENTE.

              

                A "baixa das maceiras" tem sido uma fonte de preocupações e motivo de numerosas intervenções ao longo dos tempos por motivo do escoamento das águas pluviais que ali convergem. Apesar do que tem vindo a ser feito pela edilidade e, também, por particulares,  para atenuar o caudal que ali ocorre, o problema está longe de ser sanado exigindo medidas de fundo capazes de por fim, de uma vez por todas, a um problema que se vem a arrastar de ano para ano, com todos os inconvenientes que daí resultam tanto para o trânsito como para os moradores próximos dos locais onde as inundações mais se fazem sentir.

              
                 A inclemência do Inverno que se tem feito sentir nestas dias, com bátegas intensas a caírem há dias seguidos,  veio trazer à tona a situação do alagamento da rua da Estrada da Granja, no final do troço entre a sede da Junta de Freguesia e o cruzamento com a estrada 305, onde estão instaladas as recentes estufas da casa Quintas e se acede à Devesa. Ali, vindas das propriedades a norte, juntam-se águas que fazem transbordar os canais particulares de drenagem e os aquedutos da via, as quais excedem a capacidade das ligações existentes da rede pública inundando o troço da estrada em alguns centímetros, condicionando o tráfego que ali ocorre, mas, como tive oportunidade de ouvir por parte de uma moradora daquela área, também prejuízos materiais pela degradação que provoca nas plantações de legumes causada pela  erosão da terra mole provocada pela torrente que extrapola os limites dos drenos construídos.


             

               De acordo com esclarecimentos que obtive de fonte credível, a Junta de Freguesia tem o problema há muito referenciado, tendo tomado várias medidas para lhe colocar um termo. Construiu, há algum tempo atrás, um ramal que ligou a uma vala de escoamento a fim de diminuir a afluência das águas das valetas que ali passam. Porém, a medida não é, reconhecidamente, suficiente e, para que pudesse ser executada uma intervenção mais interessante e útil, seria necessário demover terceiros particulares que possuem interesses no local que, ao que soube, não têm mostrado a receptividade para encontrar a solução exigida. A Câmara Municipal, que tem sido informada da situação por várias iniciativas, não tem concedido ao tema a importância que ele merecia. 

            

                Tal como algumas vezes acontece com os problemas mal resolvidos ou adiados, também aqui terá que acontecer algo de anómalo e com impacto social bastante para se lhe encontrar uma solução.Até lá, que se aproveite a improvisada lavagem natural de viaturas porque, água, é de ...graça.







            

Sem comentários:

Enviar um comentário