terça-feira, 16 de setembro de 2014

UM CASTANHEIRO QUE VALE POR UM SOUTO.

        


              Quem passa na rua da Estrada Central  vindo no sentido de nascente para oriente, ao entrar na curva onde principia o lugar da Rocha, é impossível não reparar no castanheiro de copa frondosa e de tamanho invulgar que se ergue no topo norte da Quinta de São Filipe, pertencente à herdeira de capitão Gaspar Malheiro de Castro, drª Ana Maria Pereira de Castro.

            A avantajda envergadura da árvore que se encontra recheada de abundantes ouriços a caminho da maturação, apresentando um aspecto saudável e pujante, poderá ser o último exemplar de um souto que ali terá existido até ao princípio do século XX (por volta de 1908), antes do terreno onde crescia ter sido incorporado na Quinta de São Filipe, por aquisição do então proprietário.

           É, sem qualquer dúvida, um exemplar admirável que ultrapassou seguramente um século de existência e parece dar garantias de poder dobrar o actual, salvo eventual intervenção futura pela mão humana ou acção imprevisível da natureza

           Adaptando uma quadra do cancioneiro popular bem conhecida, não é desajustado dizer que, 




                                   Do outro lado de Lanheses,
                                   Mesmo nas bandas de lá
                                   Cresceu castanheiro cem vezes
                                   Que muitas cantanhas dá.

                                           (Do outro lado do rio
                                            mesmo nas bandas de lá
                                            tem meu pai um castanheiro
                                            que muitas castanhas dá)


                                  
           

1 comentário:

  1. Intervenção humana já levou na actualidade. Alguém considerou que fazia demasiada sombra a uma plantação e lá foram dois galhos deste magnifico exemplar. A duvida é se, qualquer dia, não irá mesmo ao chão, pelo "crime" de fazer sombra a uma recente plantação nas imediações desta árvore tão bela.

    ResponderEliminar