sexta-feira, 5 de setembro de 2014

BANHO GELADO, NÃO. OBRIGADO!



                                      


                                                               BANHO GELADO


De um dia para o outro
O mundo ficou mudado
Anda tudo a ficar louco
P’ra tomar banho gelado

                                        Pode ser velho ou novo
                                        Sem diferença de sexo
                                        Gente da alta ou do povo
                                        Fá-lo em qualquer contexto.

 Nem Bill Gates escapou
 A tão tola diversão
 Mas, esperto, inventou
 como ganhar bom milhão!
                                        
                                       
                                         Tão bizarra diversão
                                         De puro gozo interno
                                         Nada custa no verão
                                         Valia mais no Inverno.


No tempo que já lá vai
Outro banho acontecia:
Antes de ouvir: -“água vai!
“balde” de cima caía!

                                          Não havia outro remédio
                                          Que melhor banho tomar
                                          Porque com cheiro tão fétido
                                          Ninguém desejava andar.


Para dizer o que penso
Não parece grande cena
Que gente com algum senso
Faça coisa tão pequena.

                                           Não penso ser nomeado
                                           Seria falta de senso
                                           Cheio de banho gelado
                                           Ando eu há muito tempo.

Gelados vivemos todos
Tais esquimós no Alasca
Com tantos cortes e dolos
Anda muita gente “à rasca”.

                                   

                                            As coisas são o que são
                                            O povo aceita tudo
                                            Água fria sem sabão
                                            Tira a voz e fica sujo.


Remígio Costa, Setembro/2014.

Sem comentários:

Enviar um comentário