terça-feira, 27 de setembro de 2011

QUE É ISTO? OS AÇORES JÁ NÃO É PORTUGAL?


          Hugo Chávez e Sócrates visitam Estaleiros de Viana do Castelo
  Os Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC).

             A empresa governamental açoreana Atlânticoline inviabilizou a que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) pudesse concorrer ao concurso para a construção de duas embarcações destinadas aos transportes de passageiros, entre três ilhas da Região Atónoma dos Açores, Pico, Faial e Corvo, segundo vem hoje noticiado no Jornal de Notícias (JN).

             A notícia colheu de surpresa o Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, José Maria Costa, o qual reagiu de imediato declarando-se surpreendido com aquela decisão, tendo reunido com os trabalhadores para levar ao Governo um pedido de esclarecimento e de protesto pelo afastamento do maior construtor naval do país do concurso.

             "Não é só na Madeira que acontecem situações anómalas", considerou no final da reunião o edil vianense "garantindo, agora, que vai pedir a intervenção do Governo para que avalie o concurso". "Todas as empresas deveriam privilegiar os construtores portugueses", afirmou, considerando "discricionária" a decisão da Atlanticoline, empresa pública dos Açores.

              Está, ainda, na memória de todos a rejeição por parte do presidente da Região Autónoma dos Açores, Carlos César, do navio Atlântida, sob o pretexto de que não foram cumpridas as cláusulas da sua execução relativamènte à velocidade acordada, que o navio não conseguiu satisfazer nos testes a que se submeteu, por escassa margem. Não tendo sido até agora encontrado comprador para a magnífica embarcação, os custos da sua manutenção somados às despesas ocorridas com a sua construção nos ENVC, ascendem já a muitos milhões de euros. E não se vê fim a mais este sugadouro dos dinheiros públicos.




             Será, assim, altura de questionar se vale a pena continur a adquirir, a preços mais altos, o leite dos Azores e os seus excelentes derivados, ou os ananases e bananas da Madeira, em solidariedade com os portugueses das ilhas atlânticas, ou, ajudamos a agricultura dos nossos parceiros europeus que, embora a juros escandalosos, ainda nos vão emprestando os fundos com que lhes pagamos os déficites  e os barcos que vão construir no estrangeiro.

1 comentário:

  1. Acabei de saber que nos estaleiros os directores admitidos este ano (incluindo um espanhol) vão ser "desadmitidos" por ordem do governo/ministro da defesa.
    Estão nesta "leva" os directores de recursos humanos, financeiro, gestão de projectos e técnico oficial de contas, que tinham sido admitidos ilegalmente em 2011.
    Todas as admissões para empresas públicas ou de capitais do estado foram proibidas pelo orçamento geral do estado para 2011.

    ResponderEliminar