quarta-feira, 7 de setembro de 2011

O PEDIDO DA ROSITA.

   
           Eu conheço esta jovem menina, sei quem são os seus pais e a casa onde a família mora. Pudera, na aldeia pequenina onde vivemos somos um pouco como as formigas, cruzamo-nos muitas vezes nos caminhos que percorremos, encontramo-nos frequentemente nos locais de convivência comum, na padaria, na pastelaria, na estação do correio, no futebol, nas idas e vindas para a escola, num funeral ou acto religioso, mas, tão grande é a idade que nos separa desconheço a sua graça. Por isso, vou chamar-lhe, Rosita.

            Há dias estava eu especado num local à entrada do Centro Cívico, a olhar sem ver coisa nenhuma que ali não estivesse há muito, quando dei conta de que a Rosita estava na minha frente e falava para mim, numa vozita à procura das palavras para chegar àquilo que trazia para me dizer.

            -Boa tarde senhor, Remígio. Olhe, é assim, eu gosto de ler o seu blogue (este esbocinho de mulher não andará longe dos dez anitos, embora aparente um pouco mais) e, gostaria de lhe falar sobre um problema surgido ali em frente à minha porta e que nos está a provocar algum incómodo.
            -Então de que se trata?, perguntei entre surpreso e ao mesmo tempo curioso perante a cativante seriedade da minha jovem interlocutora.
            -Sabe, é que ali em frente à casa onde moro foi há dias aberta uma vala para criar um ramal de abastecimento de água e, não tendo sido completamente coberta com os paralelos retirados, a vala em terra transforma-se em pó ou lama e as viaturas que ali passam em grande número atiram-nos para dentro da nossa casa.
            -Vamos ver. Caminhámos os dois uns escassos passos e lá estava: uma tira de terra à vista, estreita e de pouco mais de dois metros, despida dos paralelipípedos que dali retiraram. Coisa pequena, fácil de solucionar para adultos, mas um bico de obra complicado para a mente duma criança.

             Não fui logo dali  "levar a carta a Garcia" porque refreei o impulso por entender não ser o momento adequado. Era altura de tratar de assunto absorvente e trabalhoso e a mobilização dos recursos da entidade a quem o assunto respeita era total. Depois da festa, é melhor, pensei.

             Segunda-feira estava a bater à porta da Junta de Freguesia. Não pude falar com quem pretendia mas fui informado de que a situação estava referenciada, mas, as diligências já feitas junto da entidade a quem incumbe reparar o buraco não tinham obtido sucesso, até agora. Pedi e verifiquei o registo da minha instante petição para que se persistisse no empenho com vista a sossegar a Rosita, cuidando eu mais de que não seja enlameada a sua confiança nos adultos do que do fracasso da importante missão que assumi.

              Chegámos à quarta-feira, quase oito dias passados sobre o conhecimento do reparo e a situação ainda se mantém. Vem aí o Natal, talvez seja altura da Rosita escrever ao Pai Natal...

              

          

19 comentários:

  1. Ah valente "Rosita"! Se os adultos responsáveis não são capazes de resolver um problema aparentemente simples de solucionar, ao menos que a preocupação justificada de uma criança sirva para alertar consciências e ajudar a definir prioridades locais. Também conheço a situação e concordo com a "Rosita": aquilo é insustentável. Esperemos que a "Rosita" não tenha de esperar até ao Natal para que o problema seja resolvido. Obrigada Sr. Remígio por estar atento a estes "pequenos" apelos e a eles dar espaço no seu blog.

    ResponderEliminar
  2. A Junta Sr. Costa! A junta que o Senhor vem defendendo ...

    ResponderEliminar
  3. Sr. Costa, entre a serio no seu respeitavel blog...Olhe Lanheses no todo...
    veja estradas, caminhos, funtenarios etc. Lanheses nao e so a rotunda e a zona de laser...E, e por esse motivo que eu repito: -A Junta Sr. Costa que o Sr. tanto defendeu e ofendeu...

    ResponderEliminar
  4. Anónimo das 19:51

    "A Junta Sr. Costa que o Sr. tanto defendeu e ofendeu..."

    Como? Pode repetir, por favor? "tanto defendeu e ofendeu"? Como, assim?

    Remígio Costa.

    ResponderEliminar
  5. Agradeço a sua disponibilidade e empenho por ter realçado o problema que eu lhe comuniquei, apesar da minha tenra idade.
    Obrigada Elvira Soares

    ResponderEliminar
  6. HIHIHIHI
    Afinal a festa da laranjada prejudica a freguesia. Há quanto tempo andava a malta a olhar para o milheiral, sem ligar ao resto?
    Como tinha dito a semana passada, na parte velha da freguesia também mora gente!

    ResponderEliminar
  7. Anónimo das das 23:56

    Hélas, amigo. Parabéns! Conseguiu ver um pinheirinho no meio da floresta.
    RC/.

    ResponderEliminar
  8. Os meus parabens ao anonimo das 23:56. Todos nos sabemos ate onde chega o lirismo dos tres mosqueteiros que conduzem os destinos da ferguesia sempre com um fim pouco correto na esperanca de mostrar o melhor, pelo lado pior lado! A festa laranja, porque foi so laranja, teve o seu sentido porque o fim reverteu em prol de uma boa causa. Por ai tanto o Sr. Costa ( Nao perdia tempo em diculgar o grande acontecimento!) como a organizacao estao de parabens.Um abraco para o Anonimo das 23:56

    ResponderEliminar
  9. Há já, aproximadamente, 5 meses que a vala de luz incomoda o comércio em redor, moradores e pessoas que passam por este caminho muito frequentemente.
    Teve de ser uma "criança" a divulgar o problema, mesmo passndo por ele, várias vezes, o membro superior da JUNTA DE FREGUESIA DE LANHESES. O que faria o Sr. Presidente se o problema surgi-se num local onde os laranjinhas fossem afectados? Mandaria um empregado com a máquina manual de "suprar" o pó para o vizinho?TALVEZ!

    ResponderEliminar
  10. Isso nao e resposta duma pessoa que se presa se ter um blog!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  11. Realmente coisa pequena, embora mal! è bom que se dê uma volta por Lanheses e se veja a obra que foi e está a ser feita e a envolvência da junta nas obras cruciais para os próximos anos. Realmente quanta impaciência!Tudo perfeito na casa e na vida de certas pessoas, nada falta, nada está mal!Alvaro Sousa

    ResponderEliminar
  12. Não sou de Lanheses nem sequer do distrito pou provincia.
    Por acaso "descobri" este blog que passei a seguir com regularidade, porque tenho amigos nessa terra.

    Venho expressar a minha palavra de apreço pelo autor do BLOG, pois não vislumbrei no mesmo qualquer politiquece barata, tão só vejo uma pessoa que gosta da sua terra e que à sua maneira vai dando a conhecer o que por lá se passa.
    Perguntem a quem reside fora e até mesmo no estrangeiro se não apreciam o blog.

    OS anónimos detractores que olhem para si e para o que não fazem mas poderiam fazer. É muito fácil o "bota-abaixo".

    Cumprimentos.

    A.J. Silva

    ResponderEliminar
  13. Alvaro Sousa:

    Ressalto a sensatez do seu comentário.

    RC/.

    ResponderEliminar
  14. A.J.Silva:

    Agradeço o apreço que manifesta por este espaço, ainda mais porque está acima, e fora, dos condicionalismos que derivam da convivência em comunidade restrita, como é a nossa.

    Quero, no entanto, ressalvar que, quer da parte dos que estão fora do país, como aqueles com quem há tantos anos convivo na minha (nossa) querida Lanheses, só tenho recebido incentivo e apoio para prosseguir nos propósitos que me animam, o primeiro dos quais será, porventura, o empenho em cultivar tanto quanto possível o dever de neutralidade e da equidade em relação às questões aqui abordadas.

    Aceite cordiais cumprimentos.
    RC/.

    ResponderEliminar
  15. Sr. Remigio, aprecio o seus comentários. È e sempre foi uma pessoa isenta e correcta. Procura com toda a sua alegria transmitir o que bom está ser feito na sua terra e também o que faz falta fazer: Nunca tentou ou tenta destruir ou dizer mal por dizer.Esteve de férias e vi: Obras(muitas), parque verde(fantástico), centro social(a maravilha),estádio de futebol(o sonho), ecomuseu(espectáculo), sala de fotografias(que obra!saudade...dos antigos tempos),ruas(muitas e com um sucesso). Onde se pretende chegar apenas por buraco na rua! Siceramente! Força Sr. Remigio não é dos fracos e maldizentes que a história reza. Força Lanheses estão no caminho certo.Manuel Cunha

    ResponderEliminar
  16. O que está mal, como já dito antes, são as obras da paroquia (Igreja), todas elas, pois astam-se milhões e depois pedem dinheiro a todas a entidades da freguesia. Venha o euro semanal, venha o prémio mensal, venha os salários de cargos associativos, etc, etc, etc... São muitas as asneiras que aqui se fazem. Por outro lado, J. Freguesia apenas olha para o LASER, que pouco interessa, neste meio. Reestruturação de locais, inequivocamente, desnecessários, e inquestionáveis locais estratégicos, é de lamentar.

    ResponderEliminar
  17. Apreço este blog, e felicito o Srº Remigio pelo esforço demonstrado em o manter sempre actualizado. Agradeço.

    ResponderEliminar
  18. Após ler tais comentários devo dizer que a junta actual, apesar de algumas decisões menos correctas, dá 10 a zero a anterior junta, conhecida, por os independentes.

    ResponderEliminar