sábado, 17 de setembro de 2011

O "ABRE-E-FECHA" DO COMÉRCIO LOCAL.


 CARAMÍA, Pronto-a-Vestir de senhoras, para suprir a extinção da Boutique Liza.




          Pode ser um sinal dos tempos que vivemos mas também um bom augúrio para o desenvolvimento do parque de comércio e serviços da freguesia de Lanheses, com relevo para o que existe no Largo Capitão Gaspar de Castro (Benemérito) e das ruas que lhe são adjacentes.

           Depois de há tempos aqui ter dado conta da abertura de novos espaços de actividade comercial e de saúde, outros diferentes estabelecimentos abriram as portas com ofertas inovadoras e interessantes que pretendem responder às crescentes necessidades dos residentes e forasteiros que, em crescendo, aqui ocorrem.


 A partir de agora, pequenos arranjos, bordados e linhas, entre outras ofertas podem ser tratados aqui.

           No início da Rua da Igreja, junto da Padaria Dantas entraram em laboração há poucos dias duas novas lojas, sendo uma de artigos de vestuário de senhora e outra de arranjos e bordados. Ambas têm à frente do balcão pessoas residentes na freguesia. No Centro Cívico, no edifício da casa de mobílias Mobilar, está a funcionar um novo balcão de mediação de seguros e, simultâneamente, um serviço restrito autorizado pela Caixa-Geral de Depósitos, propriedade de António Pensais (filho). Notícia menos agradável é o encerramento, esta semana, da lavandaria instalada no Largo há cerca de dois anos, seguindo o caminho da Boutique Liza há já tempos fechada e devoluto o espaço que ocupava.


        Escritório de mediação de seguros e de atendimento de assuntos da CGD.
        
                Hoje, de manhã, visitei a nossa "enjeitada" feira quinzenal. Definhada e triste, saudosa de voltar ao seu recinto natural, acolhia alguns feirantes que atendiam uma parca clientela que sobrou da faina das vindimas em decurso e do desgaste recente das Feiras Novas de Ponte de Lima. Quem sabe, não virá da crise económica que mais cedo do que tarde também aqui vai chegar, a solução para o ressurgimento do interesse que já teve para a freguesia e localidades limítrofes?



A caminho da Adega de Ponte de Lima, um  tractor conduzido por um velho agricultor de Vila Mou, com os balseiros de aduelas atestados com as uvas das vindimas que decorrem em força.

         

1 comentário:

  1. Este blog está fantástico! O meu pai, Francisco Sousa, foi quem me mostrou este espaço e desde então venho todos os dias ver se há algo de novo.
    Parabéns tem aqui um trabalho muito bom sempre que posso divulgo esta pequena caixinha de cultura que faz tão bem.
    Já agora partilho o meu blog http://katiesousaphoto.blogspot.com/ Também sou uma lanhesense a tentar partilhar algo de culto.

    ResponderEliminar