sábado, 16 de maio de 2015

SANTO ANTÃO SEM ANIMAIS PARA ABENÇOAR.






 FESTA QUE PROTEGE TODOS OS ANIMAIS

In illo tempore vividos
Subia em festiva romaria
O bom gado a Santo Antão:
Escovado e bem cuidado,
Com flores campestres enfeitado
e conduzidos à mão,
Ao cimo do monte chegado
Como se estivesse ensinado
Dava com mansura e lentidão
Voltas ao redor da Capela
Para, numa prece singela,
Sua dona pedir proteção.
Ficava depois no adro
Juntando-se ao demais gado
Que fazia multidão
Para ouvir orador sacro
Dizer famoso sermão.
Com tal fervor era seguido
Que o bom povo dorido
Chorava de emoção
por sentir-se compungido
Ou porque lhe era pedido
Por quem fazia o sermão.
Mudaram-se os tempos e, agora,
Dos animais de outrora
Restam cavalos de motor.
(Que pavor!)
De toda a criação doméstica
Que engordava no cortelho
Desapareceu desta festa
A única que resta
que só nos traz moléstia 
como larva em hortaliça
É o voraz roedor coelho
que tudo que vê, cobiça.

.

.

Remígio Costa




Sem comentários:

Enviar um comentário