segunda-feira, 11 de maio de 2015

"MÃE" FOI TEMA NA TERTÚLIA ABERTA PROMOVIDA PELA JUNTA DE FREGUESIA DE LANHESES (VIANA DO CASTELO)




        O presidente da Junta Filipe Rocha e a professora Rosa Castro foram os organizadores principais desta Tertúlia

            Na passada sexta feira dia 8 de Maio a Junta de Freguesia promoveu nova Tertúlia, tendo escolhido como tema a "MÃE" no que a palavra significa e pode representar num contexto amplo e diversificado segundo o conceito e a livre abordagem que cada um entender encarar.

              O evento levou à sala da biblioteca da sede da Junta cerca de quatro dezenas de tertulianos os quais fizeram uma inscrição prévia para garantia de participação seguindo a ordem de entrada dada a limitação do espaço onde decorre, com os participantes  agrupados  em mesas redondas individuais.

   Da esquerda: a filha do presidente, Filipe Rocha, Alberto Amorim e Rosa Castro.

               O evento teve acompanhamento musical no seu início, a cargo do professor Catarino da Escola Secundária local e da sua jovem filha Ana que interpretou alguns temas de autores e intérpretes destacados da música portuguesa mais populares, encanando os presentes com a seu tom de voz seguro e bem modelado não fosse o seu progenitor um competente músico e professor da disciplina.

               Depois da saudação de boas vindas e do plano para o decurso da Tertúlia a cargo do presidente da Junta de Freguesia Filipe Rocha, foi tempo de dar início às intervenções aos convivas, alguns dos quais tiveram oportunidade de divulgar "trabalho de casa" bem cuidado e ainda melhor representado, tendo a Manuel Paraíso cabido a primeira intervenção da noite com uma abordagem muito erudita e de raiz clássica iniciada em latim ao estilo dos sermões de orador sacro nos atos religiosos sublimando a Mãe natural de cada um de nós num panegírico a que não faltou emoção e genuíno sentimento. Seguiram-se outras intervenções com leituras de versos que falam da Mãe de autores consagrados, tal como Miguel Torga e Carlos Drumond de Andrade e outros. Houve também lugar à intervenção de uma criança com idade de andar no jardim infantil,  Lourenço de seu nome, que encantou pela simplicidade da leitura quase perfeita que conseguiu terminar e do ar de sucesso pelo êxito que alcançou. Relevam das últimas intervenções a que fizeram a filha estudante do presidente Filipe e da sua esposa Conceição, ambos professores formados em Biologia, e a de Rosa Castro, também docente, que escolheram o tema da Mãe Terra para chamar a atenção do que ela representa para toda a Humanidade e a exigência e obrigações que todos temos para a manter limpa e despoluída e, como sendo única no Universo até hoje conhecida, não tem preço nem jamais poderá ser vendida. Muito oportuna foi a evocação pela drª Rosa Castro da carta escrita em 1854, pelo  presidente dos Estados Unidos da América, Franklin Pierce, enviada  ao cacique, Noah Sealth da tribo Duwamish, mais conhecido como Chefe Seattle, onde manifestava o interesse de adquirir a terra onde viviam aqueles índios e cuja leitura é imperiosa para se compreender que não há valor que compre o que, por tão estimável e único, não tem preço nem é alienável porque é de toda a Humanidade.

               No decurso da animada sessão foram feitos diversos brindes e servida uma refeição confecionada pelos funcionários da Junta e seus familiares e também por voluntários que já podem ser considerados permanentes tantas são as vezes em que se oferecem graciosamente para colaborarem. Gente muito boa e excecional, em dedicação e simpatia. Os participantes preparam em casa e levaram para a Tertúlia sobremesas variadas e em quantidade generosa que os seis euros da inscrição estão muito longe de pagar, tanta era a qualidade e variedade que foi apresentada.

                            A equipa imparável da JF

              Naturalmente que no final do agradável convívio, o presidente Filipe Rocha, não deixou de dirigir algumas palavras de congratulação pela forma simpática como a sessão decorreu e concluiu a sua alocução deixando aberta a realização futura de encontros similares cujos temas serão revelados na altura própria.

             ANA CATARINO, A ATUAR.

                 Eventos deste tipo não podem ser descritos ao pormenor, são para serem participados. Seria demasiado fastidioso e inapropriado. Fica aqui, apenas, uma imagem mais ou menos desfocada da agradável reunião de pessoas da mesma comunidade, que poderá constituir uma boa oportunidade para estreitar laços de salutar convivência e ampliação do espírito comunitário que convém seja preservado na nossa freguesia.

                   A JOVEM CANTORA, ANA CATARINO


                           A TERTÚLIA EM IMAGENS


                                                  Manuel Paraíso





                                                 Augusto Franco.





                                Isidoro Cunha.

                            Ana Maria, funcionária permanente da JF e o seu grande coração.




                               O DESTAQUE DEVIDO.



Fotos doLethes
Remígio Costa

                   

Sem comentários:

Enviar um comentário