domingo, 16 de outubro de 2011

RETIFICAÇÃO SERÁ UM FATO E NÃO PARA POR AQUI.

          O amigo que reencaminhou até mim este texto sobre o Acordo Ortográfico Luso-Brasileiro não refere o nome do seu criador. Contudo, não resisti a divulgá-lo entre os visitantes do blogue na certeza de que lhes estou a oferecer uns saborosos momentos de excelente humor, ficando extremamente aliviado por não ter que me preocupar com os encargos referentes aos "direitos de autor", atribuindo-o a um tal "Anónimo" que, de quando em vez, cai nas caixas de comentários de todos os blogues.

          Antecipando-me à pergunta que estão preparados para me colocar, vou adiantando que ando a debater-me, de há tempo a esta parte, com o dilema de me vergar à exigência da adopção das alterações introduzidas, "a martelo" no léxico da Língua Portuguesa, ou, deverei continuar fiel à que me foi ensinada na infância pela senhora professora Dona Deolinda Vale e, posteriormente, segui através de Camões, Padre António Vieira, Fernando Pessoa, Eça, Camilo, Aquilino e tantos outros. Se, desde 1990 venho, por tropelias da rotina, a tropeçar por entre as maiúsculas e minúsculas das estações do ano e demais imposições exigidas no Acordo, estou agora mais incapaz em experimentar a perda dos cc,pp,-- ¨ ¨ ^ ^ na ortografia das palavras do que, em criança, senti ao engolir uma simples colher de óleo de fígado de bacalhau.

           Concedendo que, mantendo este espaço onde acedem jovens que não têm liberdade de escolha porque o ensino das novas regras é obrigatório já no actual ano lectivo, devo conformar-me e aceitar civicamente a Lei aprovada na Assembleia da República Portuguesa. Mas não me perguntem se o faço de bom grado...

            Nem o dia em que vou começar.

      

 "Quando eu escrevo a palavra acção, por magia ou pirraça, o computador retira automaticamente o C na pretensão de me ensinar a nova grafia.

 De forma que, aos poucos, sem precisar de ajuda, eu próprio vou tirando as consoantes que, ao que parece, estavam a mais na língua portuguesa.

Custa-me despedir-me daquelas letras que tanto fizeram por mim.

 São muitos anos de convívio.

Lembro-me da forma discreta e silenciosa como todos estes CCC's e PPP's me acompanharam em tantos textos e livros desde a infância.

Na primária, por vezes gritavam ofendidos na caneta vermelha da
professora:  - não te esqueças de mim!

Com o tempo, fui-me habituando à sua existência muda, como quem diz, sei que não falas, mas ainda bem que estás aí.

E agora as palavras já nem parecem as mesmas.

O que é ser proativo?

Custa-me admitir que, de um dia para o outro, passei a trabalhar numa
redação, que há espetadores nos espetáculos e alguns também nos frangos, que os atores atuam e que, ao segundo ato, eu ato os meus sapatos.

Depois há os intrusos, sobretudo o R, que tornou algumas palavras
arrevesadas e arranhadas, como neorrealismo ou autorretrato.

Caíram hifenes e entraram RRR's que andavam errantes.

É uma união de facto, e  para não errar tenho a obrigação de os acolher
como se fossem família. Em 'há de' há um divórcio, não vale a pena criar
uma linha entre eles, porque já não se entendem.

Em veem e leem, por uma questão de fraternidade, os EEE's passaram a ser gémeos, nenhum usa ( ^^^) chapéu.

E os meses perderam importância e dignidade; não havia motivo para terem privilégios. Assim, temos  janeiro, fevereiro, março, são tão
importantes como peixe, flor, avião.

Não sei se estou a ser suscetível, mas sem P, algumas palavras são uma
autêntica deceção, mas por outro lado é ótimo que já não tenham.

As palavras transformam-nos.

Como um menino que muda de escola, sei que vou ter saudades, mas é tempo de crescer e encontrar novos amigos.

Sei que tudo vai correr bem, espero que a ausência do C não me faça
perder a direção, nem me fracione, e nem quero tropeçar em algum objeto.

Porque, verdade seja dita, hoje em dia, não se pode ser atual nem
atuante com um C a atrapalhar.

Só não percebo porque é que temos que ser NÓS a alterar a escrita, se a
LÍNGUA É NOSSA ...? ! ? ! ?"
..................................................................................................

OBRIGADO, João.






















--


Sem comentários:

Enviar um comentário