domingo, 22 de junho de 2014

NO SÃO JOÃO "À ANTIGA" NÃO FALTOU ANIMAÇÃO.

         

    Os intérpretes da marcha da Obra Social Riba Lima, no fim  do desfile

O São João que ontem à noite se viveu no larguinho da Forcada, junto à capelinha particular aberta para o pequeno souto, não foi muito diferente de outros vividos no passado, tudo porque no local se juntaram bastante pessoas mas, na sua quase totalidade naturais ou residentes em Lanheses. Por outro lado, todo o cenário do recinto o confirmava: música gravada através da instalação sonora "a cargo de Casa Fernandes, de Fontão, a abrilhantar esta magnífica festa", um fio de bandeirinhas penduradas nos troncos das árvores do recinto, algumas lâmpadas a servir um luz minguada a quebrar a escuridão,  um palco, e, imperativo das sanjoaninas e outras que tais, a barraca dos comes e bebes coberta com um toldo e, ao lado, os grelhadores das febras e os assadores das sardinhas. Com clientes muitos, para que conste.

                                                     Os padrinhos


             A capelinha de São João, com sininho de presépio, num brinquinho, maneirinha, branquinha de cal,  iluminada na fachada a luzes de cores, esfuziante claridade e decorada de belos ramos de flores naturais, no interior, a merecer louvor de quem se esmerou no seu cuidado.

             Foguetes não ouvi. 


A marcha do 6º B, do Agrupamento Escolar de Arga e Lima e os respectivos padrinhos.


             Sendo assim como descrevo porque foi como eu vi, o melhor número deste sãojoaozinho da Forcada-Sobral numa avaliação onde não entram as sardinhas e as febras e menos ainda a cerveja ou o verde tinto para não haver divisões lesivas da boa paz, foi o das marchas. Só duas desfilaram, explicou o speaker Zé Manel porque outras convidadas estavam a actuar algures, à mesma, hora em compromissos irrevogáveis. 





             Passou primeiro a Turma B, do Agrupamento de Escolas de Arga e Lima, com os padrinhos Manuela e António, à frente. Em cima do palco, viveram o seu momento de glória pelos aplausos que a multidão lhes concedeu. Mesmo estando desfalcados, que alguns estudantes já estão de férias.


            Chegou finalmente o momento de por fim à expectativa quando irrompe no empedrado da calçada a marcha da Obra Social Riba Lima. Vindas da parte menos iluminada à primeira vista lembrava uma claque de futebol a chegar ao estádio. Vermelho e preto, as cores que vestiam as mulheres e os homens que desfilavam enquanto entoavam a marcha e balançavam ao som da música da tocata que os seguia. Em fila, aos pares, tendo à frente três jovens de branco vestidas, um jovem e belo casal a apadrinhar avós agora ou futuras, avançam em ritmo apertado rumo à capelinha, abafadas nos aplausos que as alas dos presentes lhes concediam. Meia-volta e estão em cima do palco, marcham certinhas, algumas já curvadinhas, (e, tenho que dizê-lo, também outras bem...larguinhas), umas maiores outras pequeninas, mas todas elas sorridentes, contentes e, eles, impantes, importantes, quiçá até ofegantes com o esforço inabitual de marchar cantando.


Terminaram os números estudados e começaram os improvisados. E aí principiam os arraiais genuínos onde entram minhotos. Concertinas, acordeões, ferrinhos e tambor, e pegam-lhes nas músicas as vozes das cantadeiras e cantadores, se não mesmo um coro espontâneo a várias vozes e o público delira durante horas, com proveito do serviço ao dispor onde a sardinha é rainha, apesar de carinha (quer dizer, cara+inha). É a vidinha.

E, agora, o São João só volta para o ano. Deve voltar. A ASAE está virada para outro lado.  Mas, não há crise: teremos sempre a festa de São Bento, a romaria de Belém e a assembleia dos contribuintes com programas que de tanto rir até nos fazem chorar.



























 Um momento comovente da noite de ontem, com Manuel Alves, Manuel Carriço, que cegou há já algum tempo por doença, com 92 anos, "ensaia" com a esposa uns passos de dança num gesto de muita ternura e amor conjugal.





Fotos e texto: Remígio Costa
            

7 comentários:

  1. longos anos de vida para o tio carriço

    ResponderEliminar
  2. Lindas fotos! Parabéns pela publicação. Depois tem que me arranjar a bonita foto da minha mãe (Rosa Maria Vale). Abraço, Emídio Vale

    ResponderEliminar
  3. ENCORE UN MOMENT DE BONHEUR ET DE PARTAGE MERCI

    ResponderEliminar
  4. Emídio:

    Foi uma escolha justificada. A flor ia muito bem no seu tom de cabelo. Bonita. As fotos estarão ao seu dispor.

    Bem estar com um abraço.

    Remígio.

    ResponderEliminar
  5. eugenie:

    Merci pour votre atention.

    Bonjour.

    Remígio.

    ResponderEliminar
  6. Devemos relembrar o trabalho da Joana (lembram-se?) e do anterior executivo da Junta na criação desta Marcha de Seniores. Que perdure por muito tempo. É emocionante!

    ResponderEliminar
  7. Confesso que há algum tempo não visitava o blogue deste querido amigo Sr. Remígio. Por coincidência, ou não vejo que alguém relembra o meu nome e trabalho. Fico grata pela sua lembrança.
    De facto foi um orgulho poder trabalhar com tão nobres pessoas e ao ver as fotos das marchas não posso conter as minhas palavras de elogio. Estavam todas(os) lindíssimas (as), mas louvo sobretudo a vossa presença. Parabéns pela persistência!
    Desejo que a vossa saúde e vontade perdure por muitos anos para que possam viver e intervir positivamente na vossa comunidade.
    Um beijinho grande a todos

    ResponderEliminar