sexta-feira, 3 de agosto de 2012

O RESISTENTE.

           

               Vale a pena olhar e parar um pouco a pensar no que foi esta árvore agora sem seiva, como que erguendo para o céu os seus braços mirrados pela ausência de vida, apesar disso levantada, hirta, digna, bela, ao lado das pujantes e frondosas copas de outras da sua espécie que ali existem. 

              A morte e a vida, assim representadas como fenómeno natural do ciclo do que é efémero, perecível, terreno.




(Jardim da Casa do Paço, dos Condes d'Almada, em Lanheses, Viana do Castelo.)

Sem comentários:

Enviar um comentário