domingo, 17 de janeiro de 2016

VERA, A LUTADORA.





ARQUITETA DE FORMAÇÃO, LUTADORA POR OPÇÃO.


            Conheço a Vera há muito pouco tempo e o relacionamento entre nós resulta do facto de ela atender ao balcão, aos domingos, numa das pastelarias onde cavaqueio e consulto os jornais do dia, manhã cedo. Simpatizei com ela ao primeiro olhar: sorridente, maneirinha no tamanho, delicadeza no trato, leveza e graciosidade de movimentos à imagem de uma avoila saltitante na relva de um canteiro de jardim.  

- É arquiteta, diz-me um amigo sentado a meu lado depois de retirar dos lábios a chávena do café, na continuidade de uma elogiosa referência que antes lhe tinha feito agradado pelo modo simpático e diligente como ela atendia os clientes que chegavam.

Estava concentrado na leitura do JN pelo que decorreu algum tempo antes de ter noção do que ouvira. – Arquiteta? Brincas, Luís,  –Não, é verdade, retorquiu. - Queres ver? Vera, vem cá, por favor.

A moça (é ainda bastante jovem) veio até junto de nós, solícita e de sorriso aberto, pronta a atender-nos. - És, ou não, formada em arquitetura? Aqui o meu amigo parece surpreendido que seja verdade.

A Vera confirmou, de modo desafetado e tom de voz controlado.  Concluiu, vai já a caminho de dez anos, na Universidade do Porto, o curso superior de arquitetura. Desde então tem arduamente procurado exercer atividade compatível como as habilitações académicas que adquiriu, sem sucesso. A crise que deflagrou a partir de 2008 no Mundo teve impacto de calamidade trágica para a juventude portuguesa, sobretudo para os jovens universitários recém-licenciados.

Quis saber mais, porque senti estar em presença de uma vencedora inata,  alguém que tem uma história de vida que merece ser conhecida e relevada. A Vera, de início, pareceu algo desconfortável, tímida mesmo; não sabia o suficiente a meu respeito para partilhar dados pessoais, mas, perante a minha insistência e pelo que da minha postura social já pôde avaliar, foi-se abrindo. É natural de e vive na Correlhã, uma progressiva freguesia perto da vila de Ponte de Lima, da margem esquerda do rio Lima, onde completou o nível secundário de estudos. Tem duas irmãs e todas vivem com a mãe, viúva de alguns anos. Enquanto folga da árdua busca a desbravar o caminho que gostaria fosse o da vida para o qual afincadamente se preparou, junta-se às irmãs e à mãe na criação de animais domésticos e de aves de capoeira e na exploração de uma pequena horta familiar cavando, semeando, plantando e colhendo produtos que vai depois vender com elas na feira quinzenal de Ponte de Lima.

Depois do êxito da Universidade não era aquele o rumo certo que esperava a sua vida tomasse. Porém, não desistiu de encarar a realidade do momento e foi para a luta disposta a transpor as barreiras que se opusessem à concretização do seu primeiro objetivo por maiores e imprevistas que elas fossem.

Decorrido todo um tempo de incertezas e também de algumas frustrações pelo caminho parece, finalmente, abrir-se para a Vera uma janela de oportunidade com a perspetiva de vir a confirmar-se a promessa recente de trabalho que lhe oferecem na área do enoturismo, que a enche de esperança de vir a cumprir o maior dos seus sonhos: exercer atividade afim do curso para que se preparou. Não adiantou pormenores nem pedi que o fizesse. Pensei para mim que a aplicação, a abnegação, a fidelidade aos afetos e princípios de solidariedade familiar e a crença em si própria a levariam a encontrar o caminho certo para a realização pessoal que soube conquistar. Avaliei isso desde que a vi pela primeira vez. A Vera merece-o e vai consegui-lo. É uma vencedora.


Remígio Costa.



3 comentários:

  1. Amigo :

    Pelo que dizes a Vera é um exemplo a seguir por muito boa gente !

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Voces nao vivem neste planeta. a VERA nao e um exemplo . A Vera e mais uma de tantos neste pais que voces construirao.tantos elogios porque nao tem conhecimento do pais onde vivem.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo 01:50

    Não, não vivo. Sou de Marte e estou cá de passagem. Pelo que parece o amigo tem feito muito pelo nosso (seu?) pais...

    ResponderEliminar