quarta-feira, 7 de agosto de 2013

DES(A)GOSTO.


          Idas à Senhora do Minho na Chã da Pica não são próprias dos dias de Inverno.
      

       Agosto, o mês de férias de eleição para muitos portugueses (porque ainda há quem se possa dar a esses luxos, pois então...), resolveu fazer "má cara" e, hoje, em vez do afamado sol português (avril au Portugal...), brindou-nos com um dia de nuvens cor de chumbo e umas bátegas de água insidiosamente refrescantes mas decisivamente indesejadas por veraneantes e turistas.

      Não tanto para os lavradores, cafés e restaurantes...

         Um bom cristão até pode compadecer-se do azar de quem andou o ano inteiro a planear uma semanita de férias, vá lá quinze dias, como o Coelho aldrabão e o sr. Silva accionista, a tostarem cinicamente nas praias dos Allgarves, esbulhando uns euritos do orçamento das míseras receitas daquilo que o Estado ladrão lhes permite usufruir e constituem as  suas legitimas pensões de aposentados e reformados. Mas está-se nas tintas para os felizardos tremelicantes acima dos noventa anos com nutridas reformas de 1000€, sortudos duma figa, que são poupados ao estupro dos seus tesouros.

        Em tudo isto, o mais lamentável é, se se mantiverem as actuais condições atmosféricas, o receio do arrefecimento do entusiasmo popular que costuma ver-se nas afamadas e povoadas romarias e festas destas paragens, onde se faz questão de mostrar à cidade e ao mundo, quanto este povo vive contente e feliz, sem emprego e sem esperança, sem que esmoreça e se retraia. É que, com sol ardente, foguetes, música e uns finos bem tirados (o verde tinto carrascão é, agora, mais plebeu), não há des(A)gosto que não seja alegre!

       S. Pedro (o de lá de cima que este cá de baixo já está às Portas do inferno...), manda cair um manto de espesso nevoeiro sobre este velho domínio do honrado Zé do Telhado para ver se o D. Sebastião se resolve a aparecer de uma vez para sempre!

                   Sombrinha de Verão vira guarda-chuva em dia de invernoso.
         

         

2 comentários:

  1. Belissimo artigo, bem critico e tambem muito bem humurado.Parabens Remigio.

    ResponderEliminar
  2. Caro Remigio.

    Excelente prosa, parabéns.

    Quanto a D, Sebastião, não acredito muito, que caia na asneira de
    cá voltar. Veja só o que o que fez a troika a esse enorme rei de Porugal.

    http://tvl.pt/2012/10/28/perspectivas-o-elmo-de-dom-sebastiao-rainer-daehnhardt/

    ResponderEliminar