quinta-feira, 28 de agosto de 2014

SÃO JOÃO D'ARGA.

            
                                       SÃO JOÃO D'ARGA


            Há quem lá vá todos os anos e muito poucos aqueles que pelo menos uma vez na vida não tenham ido à romaria de São João d'Arga, que se celebra nos dias 28 e 29 de Agosto em Arga de Baixo, concelho de Caminha, em plena serra d'Arga, se  gosta de participar e conhecer romarias e festas típicas e paisagens deslumbrantes onde acontecem na diferente e mui portuguesa província do Minho.


                                                  A CAPELINHA
             

              A capelinha que se ergue no espaço interior do velho mosteiro que se levanta sobre um extenso vale com vista para norte do sistema montanhoso que o envolve,  tem características românicas que remontam a sua existência ao século XIII, sendo objecto de devoção de muitos crentes que ali se deslocam para dar três voltas ao redor da capela em cumprimento de promessa ou graça recebida, entrando seguidamente no pequeno templo para orar junto do altar de São João, deixando depois o seu óbulo em dinheiro nunca se esquecendo de deixar uma parte para a figura que representa o diabo, "não vê ele tecê-las", o que significa apaziguar os malefícios que o mafarrico possa causar na vida do romeiro.

                             INTERIOR DO TEMPLO E OS ANDORES
            

                    Não tanto como era tradição e exigência de sacrifício para quem tinha promessa a pagar, ainda há muitos romeiros que ali se deslocam vindos de longes percursos atravessando em caminhadas,  só ou em grupos mais ou menos numerosos, a serra durante várias horas até ao local da festa. Acampam alguns em tendas montadas entre pinheiros onde perto passa um ribeiro, se vêm de véspera, regressando outros pelo percurso da ida ou em transporte próprio.

                 ALTAR-MOR COM A IMAGEM DO ORAGO.É AQUI QUE OS ROMEIROS CUMPREM O RITUAL DO "TOQUE" COM A CRUZ NA IMAGEM.

                 
            Ontem, quarta-feira, dia 27 já lá estavam montadas um elevado número de tendas, e, pelos mais ínfimos recantos ainda não assinalados como ocupados, muitas viaturas faziam manobras para se arrumarem numa nesga da espaço livre. No acesso ao mosteiro e à capela, alinhavam-se já em funcionamento os bares ambulantes, as tendas para o serviço de refeições e bancas com produtos de consumo e de brinquedos. À entrada, as tendas onde se servia cerveja, vinho e a típica aguardente com mel, tal como no recinto interior onde estava montado e pronto a servir o cabrito à moda da Serra  d'Arga um verdadeiro restaurante, não faltando sob as varandas de pedra escura do antigo mosteiro e pousada temporária, as barraquinhas com bebidas e tapas apropriadas, bem como o departamento das informações e publicidade.

                  O RETÁBULO DO "ANJO MAU" OU DIABO QUE É PRECISO APAZIGUAR COM ALGUMA MOEDA. (Ainda que seja das "escuras"...)
          

             A noite da véspera da romaria de São João d'Arga é o ponto alto da enorme concentração de romeiros que ali se aglomeram. O espaço, fora como dentro do recinto, é muito escasso para tanta afluência e manifestações espontâneas de exibições folclóricas e musicais. São rusgas populares vindas de aldeias distantes, cantares ao desafio de cantadores já conhecidos e de voluntários que os tentam imitar, concertinas e bailes que duram até à alvorada. Entre os velhos sobreiros, no coreto uma banda interpreta peças ajustadas ao ambiente e os pares atropelam-se no rodopio dos corpos embalados pelo ritmo da música.

                   Vou arriscar nos meus conhecimentos de arte sacra e dizer que estamos em presença de um belo retábulo maneirista, está correcto dr. AAA?
         

                 Há histórias mil pessoais ou não, que se espalham avulso sobre esta típica e castiça romaria genuinamente popular que atrai à serra, esteja o tempo de chuva ou sol de verão, gente de muitas proveniências e condição social. A mais conhecida e que facilmente se pode conhecer numa busca na internete é a de Santo Aginha, ou Oginha, como muitos preferem. Conta a saga de um bandido que assaltava os romeiros no Serra mas que  um dia se converteu por intercepção do orago e deixado de exercer a função de ladrão. Mas não teve muita fortuna porque, quando pretendeu ajudar numa dificuldade alguém que estava em apuros, acabou por ser morto por quem procurava ajudar, os quais não conheciam a sua regeneração.




          Vivi pessoalmente uma  aventura na primeira vez que atravessei a serra a caminho de São João d'Arga, na companhia da minha mãe e um grupo bastante numeroso quase todo formado por mulheres com alguma idade e por jovens, que sonhavam com a ida o ano inteiro, teria uns sete anos de idade. Já depois de escalada a "muralha" que se depara aos caminheiros após se passar São Lourenço da Montaria, as nuvens que tapavam o céu abriram-se em cataratas de água e a breve trecho formavam cascatas naturais pelo percurso que seguíamos, liderada por uma cidadã já entradota nos anos que dizia conhecer bem a pista até São João. Durante algumas horas a chuva foi inclemente caindo sem cessar. Nem guarda-chuvas, nem abrigo por detrás dos penedos, nem o encosto às saias da mãe impediram um banho que não deixou um linha de roupa enxuta a nenhum cristão. Abrandou ao fim de muito tempo o temporal desabrido mas formou-se a seguir um espesso nevoeiro que reduzia a visibilidade a alguns metros. A "guia" desorientada, chorava; os poucoa homens praguejavam, as mulheres rezavam indecisas entre esperar ou caminha em frente, à aventura. A certa altura, já com as nuvens mais altas, ouviu-se o estrondo de foguetes e demos conta de que estávamos, afinal a menos de um quilómetro do ponto de chegada.  Encharcados até aos ossos, cansados, esfomeados,  com o farnel em papas, viramos costas à capela e regressámos a casa. Soube, depois, que um casal que fazia parte do grupo, voltou a São João pelo mesmo trajecto  depois de mudar de roupa.



          Fui lá, a pé, há cerca de cinco anos integrado num numeroso grupo de alunos e professores da Escola Secundária de Lanheses. Foi uma caminhada que principiou às 10:00h e terminou em São João d'Arga pelas 16.00h. Tinha que honrar o compromisso que assumi com os meus companheiros de viagem a Viena de Áustria, em 27 de Maio de 1987, quando o Futebol Clube do Porto se tornou campeão europeu de futebol pela primeira vez...


          Alguém registou numa máquina fotográfica a minha "pose" de chegada, com a promessa de me oferecer o retrato como recordação Estou ainda confiado que isso vai acontecer. Enquanto não tiver em meu poder a prova da minha desobrigação, vou continuar a rogar a São João d'Arga miraculoso e justo que não deixe Bella Gutman quebrar a maldição dos cem anos de jejum de vitória em finais europeias de futebol lançada sobre um clube de que foi treinador...


          De algum anos a esta parte, satisfazendo um pedido da minha mulher, vou a São João d'Arga, de carro evidentemente, na ante-véspera dos festejos. Estive, pois, lá ontem durante pouco mais de trinta minutos. Chuviscava , o que me desencorajou a ficar mais algum tempo e até de petiscar. Colhi uma fotos, deixando aqui algumas para estimular aqueles que porventura ainda se não decidiram a ir até lá, divertirem-se e apenas  regressarem amanhã e só descansarem no Largo de São Lourenço da Montaria.



         Não vão arrepender-se, mas devem esperar muitos obstáculos para o conseguir.

         
                                                        O MOSTEIRO











        




                                                                            fim

Texto e imagens doLethes
Remígio Costa

Sem comentários:

Enviar um comentário