terça-feira, 12 de agosto de 2014

QUANDO NO VERÃO CHOVE MAIS O POBRE SE MOLHA.








             ATÉ O VERÃO NOS CORTAM.



Não dá para acreditar
 Devo estar confundido:
A estação que está a passar
É a de verão ou o estio?

                                         Ontem esteve de sol
                                         Hoje chove sempre a fio.
                                         Só de capa e com cascol
                                         Se poupa à chuva e ao frio.

Eu vejo no calendário
O dia doze de Agosto;
O tempo diz o contrário
É o inverno suposto.

                                          Isto é manha do governo
                                          Para safar o espírito santo
                                          Tenta alagar o inferno
                                          P´ra poder salvar o banco.

Já não me fio em promessas,
E de  previsões da Maya,
Nem dos anos da Caneças
Quando veste mini-saia.



Remígio Costa, 2014/08/12



Sem comentários:

Enviar um comentário