sábado, 10 de dezembro de 2016

DIÓSPIROS DESMAIADOS.


à margem da estrada
o diospireiro de braços erguidos
e de folhas despidos
secos adormecidos
amarelam e fenecem
como suspiros.

o passante olhou num
instante
e distante
não prova o adoçante da polpa
sedutora
e segue adiante

Tratante!
pensou
mas não parou
acelerou
a engrenagem funcionou
e seguiu em frente a máquina
confiante!

(porque há gente...)

Nos céus de laivos de luz raiados
o sol pincela os dióspiros desmaiados.



 Remígio Costa, 2015.12.10







Sem comentários:

Enviar um comentário