sexta-feira, 25 de setembro de 2015

OUTONO.





                                                             OUTONO




Outono é tempo de poetas
Cenário preferido de pintores
De abrir velhas arcas secretas
Dar asas aos sonhos e lembrar amores.
De ver nascer o Sol a cada dia
A matizar as folhas a cair
Das árvores onde resta a melancolia
De um corpo que foi belo, por cobrir.
Outono dos poentes de fogo
Pela tarde quando o dia cai no mar
E com a cabeça posta no teu colo
Ouço o som melódico das ondas a espraiar.
No crepúsculo da noite que se apressa
Faz-se de estrelas o Céu profundo
Donde irradia luz que é promessa
De ser a paz de outono lei do mundo.




2015.09.25


Remígio Costa




Sem comentários:

Enviar um comentário