sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

RIMA DA CHUVA E DO VENTO.



           



                  RIMA DA CHUVA E DO VENTO


Bate a chuva na vidraça
Sopra o vento nos beirais
Estou eu, aqui, sem graça
A fazer versos banais.

 Não sei se ria se chore
Por não ver o sol raiar
Que a noite não demore
Venha a hora de deitar.

Pego num livro, não leio
Vou p’ra net navegar
Mas depressa me chateio
Quero mesmo é poetar.

Brincar chamando palavras
Para com elas formar
Jogos de rimas escravas
Singelas no conjugar.

Deste modo me contento
Enquanto o tempo não muda
Que importa soprar vento
Faça sol ou caia chuva.

É próprio da Natureza
Estar sol e chuva ter
Sendo de grande sageza
Aceitar e entender.

Lá por eu estar contente
Não me ponham na prisão
Juro que sou inocente
Não ganhei nem um tostão!



2015.01.30
Remígio Costa


Sem comentários:

Enviar um comentário