terça-feira, 6 de janeiro de 2015

POR QUE SOU LANHESENSE.

                 Você, que pensa conhecer Lanheses apenas porque atravessa de automóvel o centro cívico ou Largo Capitão Gaspar de Castro na entrada 202 que liga Viana do Castelo e Ponte de Lima pela margem direita do tio Lima, a quem alguém um dia apodou de "rio do encantamento" a meu ver muito apropriadamente fazendo justiça à beleza do vale onde desliza de Espanha a Viana do Castelo e não certamente pelas razões da lenda que vem da era da passagem por estas bandas do exército romano que hesitou atravessá-lo com medo de os seus valentes guerreiros recearem perder a memória e esquecerem o caminho de regresso, vai poder conhecer um pouco dos  encantos que seduzem e apaixonam os lanhesenses e os que têm oportunidade de os conhecer e com eles se deliciar.

                 Imagine o bem vindo visitante que me encontrou junto ao rio bem perto do local onde se abriga o barco água-arriba de vela quadrangular redonda batizado com o nome de "LANHEZES", O dia está límpido e calmo na temperatura amena sem brisa com o sol brilhante do meio dia a espalhar luminosidade por todo o vale do Lima e Serra d'Arga. Vamos, calmante, iniciar um pequeno percurso a pé pela Avenida de sul para norte, pisando a sombra das silhuetas que o sol faz projetar à nossa frente, focados no arvoredo que dos lados da estrada precede as casas brancas sobranceiras à planície formada pela veiga.

                  Já conhece a linha suave da Serra d'Arga que delimita a norte nesta região o Vale do Lima. Um poeta imaginaria um corpo de mulher deitada com os pés metidos no mar de Viana, a cabeça repousando no pequeno relevo de Santa Justa...



..."puxando" a objetiva da Canon aparece, por entre árvores alouradas de folhas que resistem nos galhos, a torre da igreja da freguesia com o monte do Castelo, no concelho de Ponte de Lima, como pano de fundo...



...ainda não entramos no piso em paralelo de granito mas podemos reparar no parque dos pinheiros mansos do Parque Verde, à esquerda e as primeiras árvores que fazem renque junto à estrada. Pode imaginar que há meia dúzia de anos, por aí, o trânsito neste local seguia por entre silvados que ocupavam a maior parte da via? Não, mas muitos de nós não esquecemos...



...Já iniciámos a caminhada e apesar das árvores despidas, ou por isso, o encanto da natureza não pode ser indiferente a quem estende o olhar e gosta do que vê nos dois lados do caminho...



...à esquerda uma pormenor do Parque Verde...

 ...em frente, mais perto...
.
 ......para admirar um especimen arbóreo de belo porte (carvalho americano)...


.... do lado direito o denso arvoredo de Linhares onde podem observar-se espécies aladas e uma pequena ponte românica por onde passavam peregrinos a caminho de Santiado de Compostela...




 ...Lindo, concordam?...

 ...Em cima da ponte sobre o "Olho" (um pequeno lago de água estagnada onde floriram em tempos tapetes de nenúfares que a poluição matou, criou lagostins de água doce que os vison americanos que por ali andaram parece terem limpado), que já serviu de esgoto público e foi local de despejo de bens domésticos sem uso. A subir, já se notam as primeiras moradias do Lugar...



 ...aqui mais perto...


 ...do lado esquerdo um conjunto de casas regala-se com o sol a inundá-las e um risco branco no céu de avião a passar...




 ...as primeiras habitações e o início da Avenida à vista...

...As escadinhas em granito para aceder à Travessa...que é paralela e não atravessa coisa nenhuma...



 ............. e concluímos o nosso itinerário sem nenhum incómodo ou desprazer. Gostou? Vai voltar!
                

      Não temos para oferecer monumentos históricos, parques de diversão, supermercados, restaurantes famosos, campos de golfe. Temos paisagem paradisíaca, tranquilidade, boa gente. E temos o rio, os barcos,  as veigas, os bosques e a fauna e a flora, a harmonia indispensável para gostar de viver em, e ser de Lanheses.

Fotos doLethes.

Sem comentários:

Enviar um comentário