sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

PATO MANSO.

                      


                 Não é comum ver-se um pato a nadar calmamente perto da margem no rio Lima junto ao barco "Lanhezes", para mim que muitas vezes lá tenho estado e nunca avistei nenhum. E porque não levantou voo quando mais me aproximei dele e apenas procurou alcançar uma distância mais confortável entre mim e o seu território alargando-se no rio alguns metros, não fiquei muito convencido de que se tratava de um pato bravo, antes de um pato manso: preto de plumagem, bico acinzentado, papo branco, tamanho adulto são qualidades de macho. Solitário, fiquei convencido.

                     

                  O que de algum modo surpreende (agradavelmente) é ele andar no local onde decorre a recomposição artificial da margem. Ou terá sido por isso mesmo nadando por ali para adaptar-se às saliências das pedras que formam o esporão com o fim de estabelecer o habitat natural que lhe poderá vir a ser conveniente.

                  Entretanto, as obras vão prosseguindo. Assim:

 Faxinas também entre esporões para além da que fica junto à ponte.


 
Fotos: doLethes
                     



                          .

Sem comentários:

Enviar um comentário