sábado, 5 de abril de 2014

OLIVEIRAS "GUARDAM" SEDE DA JUNTA DE FREGUESIA DE LANHESES.


               As oliveiras plantadas em frente ao átrio arcado exterior da entrada da Sede de Junta de Freguesia de Lanheses alindam o recinto pela compatibilidade com a estrutura existente. O local foi alvo de melhoria recente no piso e na pintura do átrio, por intervenção voluntária de Isidoro Cunha e pessoal da Junta.

   À entrada do portão principal de acesso à sede de Junta de Freguesia foram, no início deste mês de Abril, plantadas duas oliveiras, uma em cada um dos lados. Não existiam actualmente em todo o logradouro da antiga escola primária quaisquer espécies de árvores, pelo que esta atitude tem sentido e é oportuna.

   A oliveira é uma árvore nobre, simbólica, robusta e estável, de tradição cultural e bela. 

   Ficam bem no sítio onde foram plantadas.

    A opção pela oliveira vai de encontro ao princípio de que se deve preservar a  natureza florestal endógena desta região limitando a proliferação de espécies oriundas de outras latitudes que possam desvirtuar a bela paisagem típica do Minho, tão admirada e recomendável,  preservando a dominância do verde de que só Miguel Torga embirrou, vá-se lá saber porquê... 

    Não será por isso que o meu apreço pela leitura das suas obras irá 
esfriar. 




Vista interior do portão principal de acesso à sede da Junta
    

Não posso deixar de formular um pedido para o futuro. Deixem as oliveiras crescer como oliveiras. Não as ridicularizem em formas arquitectónicas bizarras, estilizadas, descaracterizadoras, como se fossem lulús tosquiados com lacinho no pescoço, porque não merecem o castigo.Estão na Natureza como amigas do Homem, não têm encargos de sustentação, requerem mínimos cuidados de manutenção, podem ter vida longa, acompanham a evolução dos tempos. 

    Guardam a História.


Alçado Norte do edifício da Junta de Freguesia de Lanheses, notando-se o esverdeado "pintado" pela humidade. Por estas e por outras é que Miguel Torga, transmontano de origem mais familiarizado com o cinzento-claro da penedia e pela paisagem brancas de neve se enjoou do verde que até os minhotos detestam...
   

  

1 comentário:

  1. Estou plenamente de acordo.
    Faço também votos que as deixem crescer e resistam à tentação das podas "à tijela"

    ResponderEliminar