segunda-feira, 10 de junho de 2013

FESTAS DE LANHESES (VIANA DO CASTELO) EM HONRA DO SENHOR DO CRUZEIRO E DAS NECESSIDADES




SENHOR DO CRUZEIRO E DAS NECESSIDADES, A DEVOÇÃO DOS LANHESENSES AO SENHOR DE TODOS OS MILAGRES.

 




No quarto domingo do mês de Julho de cada ano, ocorre em Lanheses a grande festa em honra do Senhor do Cruzeiro e das Necessidades.  É uma tradição antiga que tem vindo a manter-se ininterrupta ao longo de muitas décadas, mesmo de séculos, a qual radica nos sentimentos mais profundos da comunidade cristã católica lanhesense e que continua latente e fortalecida a cada ano que passa.


 







A adoração ao Senhor de Todos os Milagres tem na imagem da Capela do Senhor do Cruzeiro o ícon  sagrado da veneração e fé incondicional dos crentes católicos. Ela é representada por uma figura de concepção invulgar de Cristo Ressuscitado em tamanho talvez acima da média,  tendo na cabeça a coroa de espinhos e, junto ao corpo e enlaçada com o braço esquerdo, a Cruz do Sacrifício. Sob os pés vêem-se uma serpente e uma  caveira a simbolizar o triunfo da Vida sobre a Morte e do Bem sobre o Mal.

 

A imagem de Cristo Ressuscitado encontra-se na  capela  do Senhor do Cruzeiro e das Necessidades situada no adro da igreja paroquial. É um templo com uma fachada decorada em estilo Rocaille (barroco-renascentista?) com uma figuração religiosa muito criativa das mais ricas do país, datada de 1756 na estrutura definitiva, dotada de linhas muito simples mas harmoniosas e de grande beleza arquitectónica. Está muito bem conservada e cuidada.


 


 A Procissão constituiu o ponto alto dos actos religiosos integrados no programa da festa. Tem uma grandeza figurativa de vulto e uma organização muito cuidada, na qual participam muitos devotos como figurantes e acompanhantes, mordomas em traje de festa e figuras da sociedade local e concelhia e povo anónimo.


De há alguns anos a esta parte a Procissão segue um percurso que vai da Igreja Paroquial ao Centro Cívico ou Largo Capitão Gaspar de Castro, desviando  depois  da capela de Nossa Senhora da Esperança pela Avenida 25 de Abri junto à Escola Secundária e entrando no Largo pela Rua Condes de Almada, junto à Casa do Povo numa distância de mil e quinhentos metros, aproximadamente. Na ida e no retorno passam-se cerca de hora e meia e metade do itinerário fica preenchido na sua extensão pelos integrantes do séquito.


Noutros tempos,  a Procissão seguiu pelas veigas da margem  do Lima em épocas de extrema seca, para invocar a intercepção divina do Senhor do Cruzeiro para a vinda da chuva que traria a abundância do pão.


A festa tem um cariz idêntico ao das romarias minhotas tão de agrado do povo desta região. Destacam-se o cortejo de mordomas onde deslumbram a policromia e variedade dos trajes e o ouro que cai no busto das moças donairosas e sorridentes, os cestos carregados de produtos regionais para serem leiloados, os fogos de artifício no ar e no terreno e os concertos musicais dos conjuntos da música pop. Porém, os promotores do evento que se renovam a cada três anos, esmeram-se para apresentar no arraial as melhores bandas de música clássicas de Portugal, que atraem ao local muitos apreciadores destes concertos.


 


A realização deste evento comporta gastos bastante significativos, mas, têm sido mantidos equilibrados não sendo conhecidos défices no fim de cada mandato. Antes pelo contrário. As receitas provêm de alguns subsídios de entidades oficiais, cada vez mais regateados, da publicidade e do produtos do leilão de oferendas. Porém, quem mais contribui para a sustentação desta tradição é a população lanhesence através de coletas, não somente a residente mas, também, a diáspora sempre generosa e colaborante nestas acções.




Toda a organização da Festa do Senhor do Cruzeiro e das Necessidades é assegurada por uma comissão constituída por voluntários nomeada por três anos que implica uma dedicação e entrega muito intensa e absorvente de todos os seus componentes. Fazem-no por bairrismo, alguns, às vezes por promessas e por  graças obtidas, outros, não sendo raros neste grupo os que uma vez partiram para o estrangeiro em busca de melhores condições de vida e puseram nas mãos do Senhor do Cruzeiro a sorte dos seus destinos.

2 comentários:

  1. O Cartaz das Festas está excelente! Parabéns!
    Quem foi o artista gráfico?!
    Abraços desde Santiago do Chile,
    Fernando

    ResponderEliminar
  2. Olá, Gostava de partilhar este pequeno video no qual faço parte desta equipa magnifica. Aqui vai o link. O Grupo Musical JL6 é de Esmoriz-Aveiro https://www.youtube.com/watch?v=hUnLPhaJPeA

    ResponderEliminar