sexta-feira, 6 de abril de 2012

SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO.

                Não é fumo a sair pela chaminé onde as cegonhas-brancas estão a chocar a nova ninhada, mas nuvens "pesadas" a ameaçar desfazerem-se em chuva.




               Engrossam as nuvens de chumbo a cobrir o céu de Lanheses formando uma cúpula cinzenta que cobre o vale do Lima apoiada nas montanhas graníticas a norte e a sul que o definem, e, os primeiros pingos, começam a cair a confirmar a previsão da chuva que a meteorologia  anunciara para chegar no dia de hoje. Sexta-feira da Paixão é tempo de recolhimento e meditação espiritual para os cristãos católicos, como preparação para a Ressurreição na Páscoa redentora. É o "tempo da Quaresma" na expressão singela do dizer popular onde a luz exterior se recolhe e o ambiente acinzenta, como que querendo ser a própria Natureza a recriar e comungar do sacrifício na Cruz do Filho de Deus, há milénios atrás.

                A Poente, há, de novo, as nuvens. Chuva, precisa-se
                    
            No Largo Capitão Gaspar de Castro, o bulício nesta altura da tarde, não é muito diferente da rotina dos dias anteriores. Nos estabelecimentos, o movimento de clientes é razoável sendo mais notado nos cafés e pastelarias, mas também nos talhos, com o afã da procura das provisões para as necessidades da Páscoa. Estão encerrados os Bancos (funcionam apenas os ATM) e a Estação do Correio, uma prerrogativa legal que, ao que parece, será das poucas a manter no futuro. Algumas viaturas com matrículas francesas denunciam a vinda de lanhesenses  do estrangeiro para a festa pascal e vão circulando por ali à compita com os carros de chapa portuguesa à procura de um  lugar para estacionar, com a patrulha móvel da GNR a vigiar por perto, não vá algumas delas pisar o risco...

                                          Pára tudo?

            Amanhã será a Aleluia, véspera da visita pascal às famílias que a desejam. Ainda este ano se manterá a tradição de muitas gerações que nos antecederam em salvaguarda da identidade e dos princípios que nos foram legados e que temos o dever de transmitir aos vindouros.

                     Sul carregado.

                            Plantas ávidas não vivem sem água.
                       
              

               

               

Sem comentários:

Enviar um comentário