domingo, 29 de abril de 2012

O Casamento/Casório - por ROSA DELMIRA AGRA GOMES RIO, a ROSA DO ZÉ FIRES.


"Homenagem a Rosa Delmira Agra Gomes Rio feita pelos seus familiares."

        "Fica documentado para que todos os amigos recordem a canção do “Casamento” do património cultural de Lanheses, aquando dos espetáculos de teatro e variedades, realizados nos anos 50-60-70, interpretada pela Rosa do Zé Fires, lanhesense sempre disponível para colaborar em todas as atividades culturais e sociais da sua freguesia e uma das intérpretes dos “Cantares de Lanheses”, recolha feita em CD, no âmbito do programa “Reviver Tradições”."
(da família
video

      
                        Quando me foi sugerida há dias atrás, por familiares da Rosa do Zé Fires, a divulgação no doLethes de uma canção do nosso cancioneiro local, por ela inúmeras vezes cantada nos mais variados momentos e locais, popularizada sob o nome de  "O Casamento/Casório", anui com o maior gosto em homenagem e admiração a uma das figuras mais marcantes com quem muito me aprouve conviver e, conjuntamente, participar em iniciativas de índole cultural ou lúdico promovidos em Lanheses.

                 A Rosa foi uma Mulher que viveu a vida com um sorriso no rosto, uma lição de coragem e abnegação, uma referência de solidariedade e dádiva para com os outros, um paradigma da Família unida e respeitadora dos melhores princípios e valores da sociedade a que pertenceu. Deixou-nos recentemente, quando tanto ainda nos tinha para dar, quase de surpresa como se tivesse desejado que a recordássemos no seu rosto simpático e na voz linda que aqui nos legou.

                 Hoje, 29 de Abril, é o "Dia da Freguesia de Lanheses", uma data adequada para prestar a homenagem devida aos que já não estão entre nós fisicamente, mas continuam bem vivos pelo exemplo e mérito dos seus actos de que nos orgulhámos agora.

                 Como merece ROSA DELMIRA AGRA GOMES RIO, a nossa Rosa do Zé Fires.


                       A Rosa do Zé Fires (na corda) e a Rosa de Lamas (no mastro) entoando cantigas populares de Lanheses na viagem inaugural do "água-arriba" LANHEZES, no Rio Lima. (2010)

                

4 comentários:

  1. Decepção.

    Mal posso acreditar que nem um dos visitantes deste blogue tivesse deixado aqui um simples comentário que fosse sobre a Rosa. Se entendo que para a nova geração ela seja indiferente causa-me preocupação constatar que o exemplo dos que em vida com ela privaram não sejam o mais edificante.

    Remígio Costa.

    ResponderEliminar
  2. Tens muita razao, amigo Remigio! Prodoa-me por ter chegado tarde. A Rosa, que nos,tu eu,convivemos e vivemos tao alegres momentos, agora, junto com a saudades por ela,vem-nos a memoria esta femagerada pergunta:-Onde e que esta o tempo que passou? E que passou que ela partir tao cedo? Esses tempos dos anos 60's, 70's e 80's ? E, esseas noites de ensaios, onde a Querida Rosa de todos nos, sempre alegre e bem disposta, nos fazia chorar com o rizo! One esta e onde estara Ela agora com o tempo passada no "Joao Corta Mar" , no "Diabo Bom Rapaz" no "Selo De Chumbo, no "Limpa Chamines" nos "Condes de Alcoutim" nos "Pimentas" "No Grande Hotel de Sarilhos" Na "Revista de Lanheses" onde a Rosa con a sua voz encantadora, ponha a Casa do Povo em suspance. A Rosa, na voz, na arte de representar, era de facto um Senhora Artista! Na caraterizacao a Rosa era bonita de sobra e despensava ser caraterizada!
    Daqui,eu me junta a tao mercida homenagem recordando-a com imensa saudade! Recordando a amizade que nos unia e nos unira para sempre.A ELA, que Deus lhe reserve um cantinho especial como nos a guardamos a ELA nos nosso coracoes. Um Abraco Remigio.

    ResponderEliminar
  3. M. Horácio Lima:

    Este post foi o quarto mais visto da semana. Até agora, um comentário apenas: o teu.

    Esperava muito mais. Ela merece.

    Abraço.

    Remígio Costa.

    ResponderEliminar
  4. A ROSA DO ZE FIRES.
    Senmpre com a humildade que a caraterizou, A ROSA estave sempre na linha da frente. Nunca se a particpar em qualquer movimento em favor da nossa terra. Tanto no campo social, no religioso e no campo do bem fazer.Noite atraz de noite horas e mais horas para trazer a alegria a todos que tanto gostavam de a ver tanto a cantar "a barquinha" como a representar. Claro que mercia mais da nossa parte, mas a vida, por vezes, leva-mos para longe, bem contra a nossa vontade fazend-nos esquecer e descolorir as amizades antigas. Eu,penso e tu em melhores condicoe que qualqere um, homenagia-la com uma bonita peca de teatro para este Natal quem vem. Seria para todos nos uma alegria inorme. (Conta comigo) Estou a ver a sala engalanada com as fotografias da Roas!!!Eu prometo que estarei contigo para fazer tudo que estiver ao meu alcance.

    ResponderEliminar