segunda-feira, 20 de junho de 2016

FOI-SE, A ARARA DO TONE..

            




          Quando, ontem de manhã, o vi chegar ao café com cara de quem foi acordado a meio do sono para atender a uma chamada com vista a responder a perguntas sobre o grau de satisfação do serviço de tv ou telefónico de uma operadora, calculei que algo de (muito) ruim se passara com o Tone da arara ou antes com a arara do Tone. - Desapareceu, acabou, mataram-na, desabafou à chegada em tom soturno e face visivelmente consternada. - Como!? Não percebi. Quem acabou, o que foi que aconteceu?, explica-te, pá, incentivei-o. - Foi a arara, desapareceu ontem, mataram-na, esclareceu por fim. Lembrei-me de o ter visto no último sábado no espaço onde decorria a feira quinzenal e de ouvir o característico e estridente palrar da exótica ave escondida na copa de um dos plátanos do recinto, perante a curiosidade de alguns mirones que andavam a feirar. - Como foi possível se te vi no seu encalço e, pelo que sei, ela costuma regressar ao poleiro após algum tempo de liberdade pelas imediações da tua casa, disse eu. - Sim, ela regressava pousava no meu ombro, e dizia olá, olá, olá, tone, tone, e encostava à minha cara a cabeça para me dar um beijinho. Desta vez, andavam por ali gaivotas e atacaram-na, com uma cegonha, também . Davam-lhe bicadas nas penas do rabo e ela tentava fugir-lhes à frente até que desapareceu de vez. Dei, depois, com uma quantidade de penas num olival que, tenho a certeza, eram da arara. Acabou-se, mataram-na!

              Bem, perante a evidência do facto consumado só me restava tentar amenizar a desolação do Tone. - Paciência, pá, parte p'ra outra; não guardes as penas da criatura penosa infiel que não merece as tuas (penas); não faltam por aí araras à solta e, não tarda, a gaiola volta a ter inquilina e, com a experiência que adquiriste tens o trabalho simplificado. Para mais, com paparoca vitaminada que alimenta e revigora até línguas estrangeiras lhe ensinas. 
              De saída do café, não ouvi muito bem o que ele disse em resposta à minha oferta de consolo. Ou, achei conveniente não ter entendido...

(O diálogo é ficção do autor)

Foto doLethes de arquivo.
              

Sem comentários:

Enviar um comentário