quinta-feira, 2 de julho de 2015

O SEDUÇÃO DE JULHO.


UMA LANCHA NO MAR


Sinto um não querer que desconheço
Uma moleza persistente e baça
A quem sem ter vontade me ofereço
Somando horas ao tempo que passa.

Não há lenitivo num livro antigo
Poema onde estímulo encontre
Procuro enseada que seja abrigo
De lancha com rumo, leme na ponte.

Sou mareante em mar agitado
Envolvido no impacto salgado
Pelo rebentar das ondas adversas.

Neste ondear inquieto e incerto
Guia-me uma luz no céu emerso
Rasto de mistério e de promessas.
.
1/Julho/2015


Sem comentários:

Enviar um comentário