domingo, 19 de julho de 2015

BOM AR E BEM ESTAR PARA QUEM GOSTAR DO LUGAR E DE PESCAR.

                    

                      Quarenta e oito horas sem estar algum tempo junto da margem do rio Lima é uma perda que a vida não repõe, por muito que ela dure. Quem gosta, pensa assim.

                É ilusão pensar que o rio é sempre igual, porque a paisagem nunca se repete. É verdade que umas vezes as águas parecem paradas e rio adormeceu, mas, logo depois, lenta e suavemente o caudal desliza para cima ou para baixo ao sabor das marés e os barcos acostados ora apontam a montante ora viram a juzante. Sempre igual, sempre diferente.

               Esta manhã havia animação na margem direita  a montante da ponte e surpreendeu-me o elevado número de canas e apetrechos de pesca espalhados avulso junto aos pescadores que ali se viam. - Concurso?, perguntei ao primeiro do alinhamento. Que não, não se tratava de qualquer competição, apenas de um grupo de amigos da zona do Porto que se juntam periodicamente e confraternizam em locais previamente escolhidos, haja ou não pescado.


                Gostei. Eram jovens, de "meia idade" e um ou outro sénior. Não tardaria, já brasas incandesceriam para o churrasco e para as febras. 
                Há coisa melhor para conviver e passar um bom dia? 

                - Olá, bonjour. Bonjour, respondi. Era uma casal francês, ainda jovem,  a entrar no Parque Verde, depois de um footting junto à margem do Lima.

                Domingo bom, para todos. Juntem-se no rio e "espelhem-se" nele com as nuvens do céu.




FOTOS: doLETHES

Sem comentários:

Enviar um comentário