sexta-feira, 12 de maio de 2017

O FUTEBOL DA NOSSA TERRA - Cartaz da atividade para o fim de semana (13 e 14 de maio)





               Muito está ainda por decidir a três jornadas do fim do campeonato. Dúvidas (muitas) podem ser levantadas quanto ao vencedor, e com exceção do último lugar entregue desde sempre ao Vila Fria, nenhuma das atuais posições está garantida.

           Não tendo somado pontos nas duas últimas jornadas, o União Desportiva de Lanheses (UDL) deixou de poder sonhar com o primeiro lugar. Os atuais sete pontos de atraso que o separam da liderança, só matematicamente mantém os lanhesenses na rota do título, o qual deverá ser decidido entre o Arcos e o Cerveira mas não ainda nesta jornada na qual nem sequer a liderança está ameaçada atendendo ao adversário que o comandante vai enfrentar. O Lanheses, é preciso lembrá-lo, não tem assegurada a terceira posição com o Neves FC a dois pontos atrás mas com (apenas) dezoito minutos para jogar uma partida interrompida contra o Chafé. 

           A jogar em casa o UD Lanheses vai defrontar o Valenciano, posicionado na borda da linha vermelha da descida. É perigoso lidar com uma fera ferida, ou em risco de vida, e a equipa da raia valenciana tem vindo a lutar para se pôr a salvo o quanto antes. Miguel Kitos, que já anunciou a sua não continuidade no Clube na próxima época, não irá descurar o atual estado anímico da equipa que não será o melhor pelo desgaste sofrido nos jogos já referidos, e deverá certamente apelar aos jogadores para a maior concentração e empenho possíveis que lhe permitam finalizar em beleza o excelente trabalho que realizou até esta altura.

          Nas restantes partidas há que salientar a deslocação do SC Vianense ao sempre agreste monte da Boa Norte, na Correlhã, onde baqueou na penúltima jornada o Atlético dos Arcos.  Em Paredes de Coura também o Cerveira corre risco de vida se pensar que irá fazer uma digressão turística ou almoçar na Miquelina umas belas trutas do rio Coura. Ao UDL conviria que o Neves FC fosse bater-se com um Távora igual ao que enfrentou na deslocação que lá fez ou igual ao que surpreendeu o rival Atlético seu vizinho e freguês de estimação. O Neves é sombra incómoda dos que seguem à sua frente e a experiência que têm destas andanças é trunfo a que eles muito bem recorrem no momento certo. Caminhámos para o verão mas há que acautelar uma inesperada e devastadora geada contra as previsões metereológicas.

          Embora a distância considerável do UDLanheses, conviria que o Vitorino de Piães ficasse à porta do Castelo, desarmado e de bolsa vazia. Deus nos livre e guarde de maus vizinhos...e os vitorinos, ou seja lá como for o tratamento por que devem ser corretamente tratados, não são (desportivamente) boa farinha.

          Campos e Monção, amigos são. Não aquecem nem arrefecem o ambiente, nesta altura do campeonato: divertem-se a jogar à bola e...segue p'ra amiga espanhola.

Remígio Costa

          




Sem comentários:

Enviar um comentário