sábado, 4 de junho de 2011

A FESTA DE SANTO ANTÃO ABADE

                                          A escadaria de acesso à Capela, sem pessoas.

              Fiz, há pouco, uma breve visita ao outeiro de Santo Antão onde decorre a festa tradicional deste orago. Por enquanto, apenas a música dos altifalantes enquanto decorre a ultimação da instalação do equipamento do conjunto musical (Costa Rica) para logo à noite. Numa tendinha levantada à sombra refrescante (sente-se no ar uma atmosfera sufocante de pré-tempestade) expõem-se produtos cuja venda se destina a auxiliar a construção do Centro Social.


     À entrada da festa ninguém...mas os automóveis não foram lá parar sozinhos....

                                     ...do lado norte, apenas carros. Mas, as pessoas?

           Um pormenor interessante não escapa a um visitante mais atento e conhecedor da tradição: em toda a extensão da estrada que passa em frente à Capela, estacionam algumas dezenas de carros mas, no recinto, apenas dois homens sentados num dos bancos de pedra ali existentes. Outros foram chegando ali, e os seus ocupantes, encaminhavam-se rapidamente para uma entrada rústica de um casebre situado no lado sul junto à capelinha, em plano inferior.

           Entrei e pude confirmar a razão pela qual não havia público cá fora: no típico local da antiga tradição desta festa, algumas dezenas de apreciadores preparavam-se para saborear um bom naco de cabrito "à Santo Antão", enquanto outros aguardavam pela sua vez para encher os taparware para o apreciarem em casa. Mantém-se, assim, o ex-libris desta festa de cariz popular e a sua perpetuação da sua melhor tradição.

                    A entrada discreta do encontro com o "cabrito à "moda de Santo Antão": lá dentro, saboreando o pitéu, um "mar" de gente!

Sem comentários:

Enviar um comentário