terça-feira, 17 de março de 2015

SECRETÁRIO DE ESTADO DO AMBIENTE, PAULO LEMOS, EM VISITA ÀS OBRAS DE REQUALIFICAÇÃO DA MARGEM DO RIO LIMA, EM LANHESES, VIANA DO CASTELO.

  
         Filipe Rocha, presidente da Junta de Freguesia, na receção às entidades oficiais
    
O Secretário de Estado do Ambiente, dr. Paulo Lemos, efetuou na manhã de hoje, terça-feira, dia 17 de Março, uma visita ao local onde estão a decorrer as obras de intervenção na margem direita do rio Lima, no sítio da Passagem, na freguesia de Lanheses, concelho de Viana do Castelo, com vista a travar a erosão galopante que ali vinha a verificar-se há alguns anos a esta parte e proceder à requalificação e arborização do espaço a montante da ponte e num cumprimento de cerca de três centenas de metros.


     Eduardo Teixeira, Alberto Amorim, dr. Paulo Lemos e engº José Maria Costa

Aquele membro do governo fez-se acompanhar do diretor da APAP, dr. Carlos Pimenta, organismo responsável pela execução da obra, fazendo ainda parte da comitiva o presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, engenheiro José Maria Costa, o qual tem vindo a acompanhar as visitas e a reunir com o Secretário de Estado do Ambiente para resolver assuntos respeitantes à região e execução do plano de requalificação em curso da zona marítima.

                     PEDRO TEIGA APRESENTA AOS VISITANTES O PROJETO



     


                        Membro do governo ouve o presidente da Junta

           Os visitantes foram recebidos no local por todo o executivo da Junta de Freguesia de Lanheses a que preside o professor Filipe Rocha, bem como pelo autor do projeto professor da Faculdade de Engenharia do Ambiente da Universidade do Porto, doutor em engenharia ambiental Pedro Teiga e o empreiteiro da obra, L. Grenho. A título informal esteve ainda presente o dr. Eduardo Teixeira, deputado na Assembleia da República pelo distrito de Viana do Castelo



   Embarque no água-arriba "Lanhezes" para um curto passeio.

  Depois de uma sucinta informação sobre o projeto a cargo do seu criador Pedro Teiga e visualização de fotos da obra expostas no angar prè-fabricado do Parque Verde, as entidades referidas entraram na réplica do barco água-arriba "Lanhezes" pilotado pelo mestre Caninhas, para uma curta incursão pelo rio Lima donde melhor a obra já concluída poderia ser observada. De volta ao local da partida e com as covas já abertas, procedeu-se à plantação de cinco amieiros com a participação dos elementos da comitiva e locais, sendo a uma delas dado o nome de "ala-arriba" por sugestão do engenheiro Pedro Teiga.


                        Nas mãos do Caninhas

 Os minutos seguintes  foram utilizados em conversas de esclarecimentos e informações recíprocos, os quais obviamente se focaram no desenvolvimento do projeto de Lanheses sem prejuízo de referências pontuais aos que estão a desenvolver-se na zona marítima. Pedro Teiga, explicava em pormenor os objetivos que se pretendem alcançar com este projeto enovador, o qual, nesta fase experimental tem uma marcante componente pedagógica que visa não apenas o ensino regular como também o envolvimento da própria população onde eles estão, ou vão ser, desenvolvidos. Sendo, como se espera, bem sucedido, o mesmo irá ser modelo adotado noutros rios com problemas de assoreamento.





    Em síntese e sem recurso a gravação ou notas escritas, julgo ter entendido os princípios fundamentais que inspiram a ideia em experimentação:

              - renascimento e aplicação do conhecimento empírico tradicional das populações antigas que cuidavam da erosão por processos naturais;

              - harmonização e preservação ambiental limitando as alterações descaracterizadoras muito agressivas;
          
              - manutenção dos habitat dos seres autóctones;

              - aplicação e manutenção da fauna e flora local:

              - melhoria de condições para a pesca à linha;

              - erradicação do cimento;

              - envolvimento das populações na preservação e cuidados de manutenção e vigilância.

              Como já referi em anteriores textos do doLethes, as características do projeto em execução contemplam:

              - implantação de cinco zonas de esporões em blocos de granito; construção de zonas de faxinas, implantação de estacas intercaladas de feixes de vergas, aberturas naturais de acesso ao rio pelas pessoas, um cais para embarcações (para executar posteriormente), construção de uma via pedonal e zona de lazer com algum equipamento, relva e plantação de árvores. 

                       Pedro Teiga e Filipe Rocha.

            

               A evolução do conjunto será acompanhada nos próximos anos, pelo que a figuração atual, com a arborização a desenvolver-se ficará mais natural e em harmonia com o ambiente local. A retenção da areia nas margens conta com as raízes das plantas criteriosamente colocadas, estando mais próximas da água os salgueiros, a seguir os amieiros, carvalhos e outras.


              O montante do custo da obra que inicialmente foi orçada em cerca de duzentos e quarenta mil euros sofreu um corte de cerca de oitenta mil euros, o que obriga a adiar a construção do tão reclamado cais para acostagem de barcos de recreio ou desportivos, para além das tradicionais barquinhas dos pescadores.

              A visita terminou com um ligeiro "porto de honra" a que se associaram as pessoas que quiseram acompanhar de perto esta visita.

  Aula prática dos alunos da Escola Secundária de Lanheses, com a professora Manuela Carvalho.





                 PLANTAÇÃO DE CINCO AMIEIROS
 Secretário de Estado do Ambiente, dr. Paulo Lemos


 Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, José Maria Costa. Em baixo, com a colaboração de Carlos Pimenta.



 Pedro Teiga e Eduardo Teixeira



 Filipe Rocha e Pedro Teiga


                   À CONVERSA COM....






 Presidente da Câmara posto a par dos projetos da Junta

                                                                              Despedidas



 UMA MÁQUINA NOVA PARA O POLIVALENTE JOÃO.

Fotos: doLethes
Remígio Costa




              

      

2 comentários:

  1. Parabéns ao doLethes pelo acompanhamento feito à visita que deveria ter dado mais visibilidade à obra e a Lanheses.
    Infelizmente, nas várias fotografias apresentadas, não me pareceu ver a comunicação social presente. Se não cheirar a sangue ou a escândalo parece que nada mais nos interessa.

    ResponderEliminar
  2. anónimo: 21:45

    Pelo que percebi estiveram presentes elementos da imprensa regional (rádio e jornais). Nenhuma TV.

    Rc.

    ResponderEliminar