quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

A ARTE DE ESTUCADORES DE AFIFE (Viana do Castelo)

                  

                A decoração de interiores com utilização de estuque foi uma tendência muito vincada utilizada no final da segunda metade do século XVIII, designadamente nas casas apalaçadas do norte de Portugal, mandadas construir por abastados emigrantes regressados do Brasil onde fizeram fortuna, que se expandiu e popularizou noutras regiões muito por acção da fama granjeada por artífices naturais de Afife, do concelho de Viana do Castelo. Com efeito, são atribuídos a Domingos Meira e ao seu irmão, naturais daquela localidade, a execução dos estuques do Palácio da Pena, em Sintra, no século XIX a mando de D. Fernando, os quais merecem a admiração dos visitantes da bela construção romântica emblema da típica e celebrada vila sintrense.



                  Existem em Viana do Castelo, felizmente alguns muito bem preservados, locais com magníficos espaços de tectos decorados com trabalhos em gesso. Entre outros, são notáveis os do gabinete da presidência da Câmara Municipal e os da Caixa de Previdência de Viana do Castelo onde está instalada a direcção daquela instituição, bem como os da sede do Grupo Desportivo dos Estaleiros Navais adjacente à Capela das Almas.





                  Sendo uma terra de belas e extensas praias, lindas mulheres e boa cozinha (não admira que Pedro Homem de Melo a tivesse elegido como sua preferida), Afife pode assumir sem reservas a titularidade de  "capital do estuque artístico" já que guarda em si admiráveis obras na arte do uso do estuque. Recomendam-se três: Casa do Alves e do Concheiro, e o Casino afifense que tratarei com  mais pormenor por o ter comprovado pessoalmente.


                 A Associação Casino de Afife é uma instituição que resultou de uma fusão em 13.07.1930, de duas agremiações locais fundadas no segundo cartel do século XIX. Tem como objecto a preservação da cultura local e é utilizada para espectáculos e festas donde aproveita os meios para subsistir.



                 O Casino, onde nunca houve qualquer actividade ligada à exploração de jogo de fortuna e azar, é um belo e amplo edifício que sofreu recentemente obras de restauro. Tem um amplo salão de dupla função dado que serve de plateia por ser amovível descendo cerca de um metro por acção de quatro fusos accionados manualmente na cave, um palco amplo, camarim, balcão, um salão recentemente acrescentado de aproveitamento múltiplo, biblioteca, cozinha, instalações sanitárias modernas e a sala nobre das reuniões e recepções oficiais a partir da qual passo a falar da sua principal nobreza artística representada pelo estuque.


                 Com efeito, o desenho e a perfeição do trabalho executado na sala das reuniões é notável. Os traços geométricos do estuque, com laivos de barroco, pintados de forma a imitar madeira sobre o fundo branco das paredes, com frisos dotados de flores, tendo no tecto um medalhão central com querubins de vestes em movimento sob um fundo azul, formam uma harmonia soberba. No salão principal, envolvendo toda a estrutura superior sobre os arcos dos camarotes, o estuque dá ao local um toque de requinte próprio dos espaços interiores da alta burguesia anterior ao século XX. No corredor que dá acesso ao balcão tem na parede um relógio artdeco bastante interessante.


                Actualmente, o gesso caiu em desuso para aplicação em tectos artísticos,  tendo sido substituído por novos materiais e técnicas de instalação, quiçá mais económicos, o que causou a diminuição drástica dos artistas que se dedicavam a esta arte, estando o mester em vias de extinção.Em Lanheses, Manuel Baptista e o irmão, eram conhecidos pela competência na aplicação do gesso na construção civil.




                 




2 comentários:

  1. Ola
    Quanto custa um.tecto em estuque artistico
    E restaurar um tecto demora se muito.
    Tempo
    E viver dos pequenos restauros e imposivel
    O restauro e caro e o placo e mais rapido e muito mais barati

    ResponderEliminar
  2. Resposta ao comentário das 01:54

    Estou totalmente de acordo com o que diz no seu comentário.

    Todavia, é uma pena que muitas habitações novas, bem caras e de gosto duvidoso, não contenham absolutamnente nada em gesso apesar das dificuldades que aponta, que lhes poderia dar uma outra qualidade e muito maior beleza. Se assim acontecesse, pelo menos não se extinguiria uma arte tão interessante que é hoje reconhecidamente muito apreciada nas obras que resistiram à destruição bárbara de tanta maravilha rara.

    Obrigado pelo seu comentário.


    ResponderEliminar