sábado, 24 de fevereiro de 2018

MIMOSA, A ÁRVORE ESTIGMATIZADA.

       


    Está indexada como "árvore invasora", mas apesar do passaporte não ter visto de entrada para se fixar e conviver na floresta portuguesa a mimosa, intrusa clandestina, teima em florir nos montes e recantos quando fevereiro está a cumprir o calendário ditado pelas estações do ano. 

     Em Viana do Castelo houve tempo em que do florescimento amarelo da árvore se fazia festa. Pela estrada sinuosa e surpreendente a cada dobrar de uma curva que leva à Basílica em Santa Luzia (e à Citânia e à Pousada e a um local prodigioso da Natureza também), afluíam multidões como hoje escolhem Ponte de Lima para se deliciarem com o sarrabulho e apurarem o palato com o verde branco ou tinto da região do vinho verde. Ou para visitar o jardim artificial em Além da Ponte. Atualmente, veem-se na cidade sede do distrito, pelo sopé da montanha de Santa Luzia na via Entre-Santos, reclamando mais e melhor espaço para se expandirem e enfeitarem o quadro ímpar que resulta do seu contraste com o verde dos pinheiros da encosta. Legalizada e controlada, aceite sem discriminação, a mimosa teria lugar na mancha do património florestal autóctone do Alto-Minho. Pacificamente, entendo.

      Quem passa na estrada municipal 202 que liga pela margem direita do rio Lima Viana do Castelo a Ponte de Lima, nos limites da União de freguesias da Torre e Vila Mou, não evitará votar o olhar sobre o renque de mimosas floridas que pintam de amarelo cerca de cem metros da referido percurso. E de gostar.

      São invasoras? Há tantas, com ou sem passaporte, algumas não tão bonitas nem pacíficas...



     

     



       
Fotos: doLethes
Remígio Costa 
      

Sem comentários:

Enviar um comentário